Meta de superávit primário é ´compromisso sagrado´, diz Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje à Agência Estado que atingir a meta de superávit primário de 4,25% em 2006 é um "compromisso sagrado" de sua gestão. Superávit primário é o resultado da arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros. A afirmação de Mantega veio em resposta a uma pergunta sobre a preocupação dos agentes financeiros em relação ao desempenho fiscal do governo Lula. O resultado dos dois primeiros meses deste ano veio abaixo das expectativas do mercado. Nas conversas reservadas promovidas pelos bancos neste final de semana, em paralelo à 47º Assembléia dos Governadores do BID, os economistas discutiram se Mantega cumprirá ou não a meta prevista para 2006 e, reservadamente, afirmaram temer que a meta não seja atingida, principalmente porque os gastos públicos vem crescendo e também porque o governo Lula pode abrir ainda mais os cofres públicos para facilitar a reeleição.

Agencia Estado,

03 Abril 2006 | 12h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.