Aden Aktab/AFP
Aden Aktab/AFP

Meta de superávit será de 0,7% do PIB, reafirma Levy

ENVIADO ESPECIAL/ ANCARA

Ricardo Leopoldo, O Estado de S. Paulo

05 Setembro 2015 | 14h28

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reafirmou ontem que a meta de superávit primário para 2016 é de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB). “No rádio da Paraíba, a presidente Dilma Rousseff confirmou a meta de 0,7% do PIB para o superávit primário em 2016”, afirmou, em entrevista com a imprensa, referindo-se à entrevista que ela concedeu a emissoras do Estado na sexta-feira.

Ele continuou: “Precisamos de meta firme para manter o grau de investimento do Brasil. É preciso encontrar um meio para viabilizar isso, inclusive no Congresso.”

Levy, que participa do último dia da reunião de ministros das Finanças e presidentes dos bancos centrais dos países integrantes do G-20, destacou que é preciso discutir se há interesse da sociedade em garantir a meta do superávit primário do Brasil. Reforçou também que a perda do grau de investimento para o País colocaria em risco empregos e ainda poderia piorar a vida dos brasileiros.

Confusão. Na entrevista às emissoras de rádio da Paraíba, no entanto, a presidente não falou sobre a meta de superávit. Citou apenas o déficit orçamentário de R$ 30,5 bilhões estimado para 2016 e da necessidade de se buscar receitas. “ Não queremos ficar com o déficit, nós podemos perfeitamente discutir como conseguir as receitas necessárias para não ter déficit”, afirmou a presidente. 

Levy disse ainda que a conversa com a presidente nesta semana foi sobre “economia e orçamento”. “Não se discutiu em nenhum momento eu ficar ou não.”

Mais conteúdo sobre:
ajuste fiscal Levy superávit primário

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.