Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Meta do G-20 é restaurar crédito e comércio global, diz Lula

Presidente enfatizou que os países do grupo tentam fortalecer o FMI para que a instituição possa ampliar ajuda

Ana Conceição, da Agência Estado,

16 de março de 2009 | 11h28

A restauração do fluxo de crédito, a revitalização do comércio internacional e da confiança nos mercados são os maiores desafios que a economia mundial enfrenta, disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante conversa com editores e repórteres da agência Dow Jones e do Wall Street Journal, antes da conferência Brasil/Wall Street Journal, em Nova York. Lula enfatizou a urgência para resolver os problemas decorrentes da crise econômico-financeira que estão abalando o mundo. "Temos um problema no mundo chamado (falta de) crédito. Precisamos restaurar seu fluxo para revitalizar o comércio mundial", afirmou o presidente.

 

Veja também:  

linkLições de 29

linkComo o mundo reage à crise especial

linkEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise

linkDicionário da crise especial 

 

Lula enfatizou que os governos que formam o G-20 - países ricos e emergentes - têm procurado formas de fortalecer o Fundo Monetário Internacional (FMI) para que a instituição possa ajudar os países de forma direta. Durante o fim de semana, autoridades do grupo reuniram-se em Horsham, perto de Londres, onde um plano de fortalecimento da instituição foi anunciado. "Ainda devemos resolver a questão da confiança e não sei como podemos restaurá-la até que possamos fazer algo sobre os bancos"", afirmou.

 

O presidente brasileiro ainda se referiu às preocupações que envolvem o setor bancário nos Estados Unidos e outras nações desenvolvidas e disse que a reunião de chefes de estado do G-20 que será realizada em Londres, em 2 de abril, deve olhar para essa questão de forma séria e propor uma solução. Lula disse aos jornalistas que a ausência de ação pode resultar em algo similar ao que ocorreu no Japão nos anos 1990, quando o país levou um longo período para resolver os problemas em seu sistema bancário, perpetuando uma crise econômica à qual se seguiu o estouro da bolha no mercado imobiliário.

 

Classe média e a crise

 

Para o presidente Lula, a classe média tem sido a mais afetada pela crise financeira. "Foi ela quem mais ganhou durante os anos de bonança, seus modos de vida melhoraram, ela também ganhou direitos políticos e agora é a mais vulneráveis a perder o que ganhou". Lula disse ainda que o "G-20 deve fazer algo quanto a isso. Não podemos ir a Londres e acabar agendando outra reunião."

 

Em Nova York com o presidente Lula, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o Brasil será um dos últimos países a entrar na crise e, provavelmente, será um dos primeiros a sair dela. O ministro afirmou não estar preocupado com a inflação e que está confiante que o baixo índice de inflação e alta produtividade irão permitir que o país continue competitivo e criando empregos.

 

Falando de assuntos políticos com os jornalistas em Washington, Lula disse esperar que a nova administração comece a ver a América Latina com olhos novos para encontrar oportunidades de cooperação, de energia a comércio. "Essa crise gera uma boa oportunidade para fazer as coisas de modo diferente". No entanto, ele expressou dúvidas quanto ao progresso das negociações da rodada Doha de comércio global ainda neste ano.

 

Quanto à cooperação energética entre Brasil e Estados Unidos, Lula disse estar encorajado pelas conversas que teve nos EUA, embora não existam medidas imediatas. Comentando sobre América Latina, Lula expressou satisfação com a eleição de Maurício Funes em El Salvador, dizendo que o novo presidente é um flexível, que levará uma mudança de qualidade ao país. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaObamaG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.