Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Metade do Brasil não tem esgoto

Dado é de estudo da FGV; governo Lula admite o problema e informa investimento de R$ 10 bilhões até 2010

Irany Tereza e Nicola Pamplona, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2024 | 00h00

Mais da metade dos domicílios brasileiros (51,5%) não dispõe de rede de coleta e tratamento de esgoto. O acesso a esse serviço avançou de forma pífia nos últimos 14 anos, atravessando quatro diferentes gestões federais ao ritmo de 1,59% ao ano. Mantida essa velocidade, para reduzir à metade o déficit de saneamento básico seriam necessários 56 anos e meio, segundo cálculos da Fundação Getúlio Vargas (FGV).Ou seja, o Brasil chegaria ao ano de 2063 ainda com 25% dos lares sem coleta e tratamento de esgoto. ''''Esse é um problema sistêmico, de política pública. Enquanto o País avança no combate à pobreza a uma velocidade quatro vezes maior do que a determinada pelas Metas do Milênio, não chega à metade do que deveria na questão do saneamento'''', diz o economista Marcelo Neri, da FGV, que utilizou microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE, para fazer a projeção.Neri descarta cálculos sobre a universalização do serviço, que levaria mais de um século para ser atingida. ''''Devemos pensar em metas factíveis de redução do problema'''', argumenta, lembrando que o País entrará no Ano Internacional do Saneamento, fixado pela ONU para 2008, entre os piores desempenhos no setor.O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva admite o problema e anuncia investimento de R$ 10 bilhões neste segundo mandato, na tentativa de duplicar o ritmo de expansão. O objetivo é chegar em 2010 com cerca de 80% dos municípios atendidos com redes de água e esgoto. Hoje, os dois serviços chegam a pouco mais de 71% da população. ''''O presidente Lula convocou o BNDES para um projeto de fôlego'''', informou Élvio Gaspar, diretor da Área de Inclusão Social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.''''Estamos trabalhando com uma projeção de universalização para o atendimento de coleta e tratamento de esgoto de 15 anos e de 10 anos para o abastecimento de água. Fazendo o corte para o que podemos fazer até o fim do mandato, em 2010, esperamos elevar em 2% ao ano a coleta de esgoto e 1,4% ao ano o abastecimento de água'''', acrescentou Gaspar.Segundo o BNDES, o plano do governo não prevê novas privatizações no setor, mas o saneamento das empresas estatais para que ganhem capacidade de investimento. A idéia é ajudá-las a seguir o modelo adotado na Sabesp e na Copasa, por exemplo, empresas que abriram o capital em bolsa e têm hoje acesso a outras fontes de financiamento.Segundo Gaspar, um dos casos em estudo é o da Compesa, de Pernambuco, onde a falta de capacidade de investimento é responsável pelo racionamento de água no Estado. ''''Hoje, metade da cidade recebe água num dia e a outra metade, no outro'''', diz o secretário de saneamento do Estado, João Bosco de Almeida.A Compesa contratou a consultoria Deloitte para planejar a abertura de capital, prevista para 2009. Mesmo caminho segue a Cedae, do Rio, que trabalha com a FGV em um programa de reestruturação. ''''Queremos uma empresa mais moderna, ágil e rentável para atrair investidores'''', diz o presidente Wagner Victer, prevendo a estréia em bolsas também em 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.