Metade dos dólares que fugiram com crise já voltou

A bolsa brasileira e o mercado de renda fixa já receberam de volta metade dos dólares que deixaram o País no período mais agudo da crise financeira internacional. Desde março, quando foi estancada a fuga de capital externo, os estrangeiros investiram novamente US$ 7,2 bilhões em ações e títulos oferecidos no mercado de capitais brasileiro. No auge da crise, de setembro de 2008 a fevereiro deste ano, os estrangeiros se desfizeram de US$ 14,1 bilhões dessas aplicações em meio a um movimento de pânico diante do cenário de incertezas que a crise trouxe para a economia mundial. A partir de março, o movimento de fuga se inverteu, o fluxo passou a operar no azul e, agora, retorna aos patamares pré-crise. Em maio, a Bolsa sozinha recebeu US$ 2,52 bilhões, o maior volume desde abril de 2008. O apetite dos estrangeiros pelas aplicações de renda fixa também começou a voltar com a entrada de US$ 968 milhões para esse tipo de aplicação, seguindo a reação do mercado acionário. A volta dos estrangeiros para o mercado acionário está animando agora os planos das empresas de fazer ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês). O apetite dos investidores estrangeiros pelo mercado de capitais está tão em alta que o ingresso de capital externo em maio para aplicações em ações e renda fixa superou em US$ 1 bilhão o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED), que tradicionalmente é um capital de mais longo prazo e voltado para o setor produtivo. Enquanto os estrangeiros aplicaram no mês US$ 3,49 bilhões no mercado de capitais, o ingresso de IED chegou a US$ 2,48 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.