Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Metalúrgicos da Fiat em Betim atrasam produção

Aproximadamente 5 mil metalúrgicos da Fiat Automóveis e dirigentes sindicais paralisaram a produção na montadora, em Betim (MG), entre as 5 horas e 8 horas da manhã desta sexta-feira, 25, além de fecharem uma das pistas da rodovia Fernão Dias (BR-381) na cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

GUSTAVO PORTO - GUSTAVO.PORTO@ESTADAO.COM, Agencia Estado

25 de outubro de 2013 | 08h49

Os dirigentes iniciaram o protesto a pouco mais de um quilômetro da Fiat e fizeram com que os trabalhadores seguissem caminhando até a montadora. De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, João Alves, o protesto ocorreu por causa do impasse entre a categoria e os metalúrgicos mineiros que, em campanha salarial unificada, pediam desde julho 13% de reajuste, mas reduziram a demanda para 10% de aumento. Já as indústrias, entre elas a Fiat, oferecem 5,9% de reajuste e condicionam qualquer aumento acima desse porcentual à criação de um banco de horas.

"A categoria não aceita banco de horas por experiências negativas aqui em Minas", disse Alves. Uma nova reunião de conciliação entre as indústrias e os sindicalistas está prevista para esta sexta-feira pela manhã, em Belo Horizonte. Minas Gerais tem 250 mil metalúrgicos.

Tudo o que sabemos sobre:
grevemetalúrgicosFiatBetim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.