Metalúrgicos da GM aprovam proposta e encerram greve

Os trabalhadores da General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) aprovaram a proposta de reajuste salarial de 8,3%, mais abono de R$ 1.950,00, em assembleia realizada hoje à tarde no pátio da montadora. Com isso, os metalúrgicos põem fim à greve na empresa. O acordo beneficiará os trabalhadores da GM de São José dos Campos e de São Caetano do Sul (SP).

AE, Agencia Estado

21 de setembro de 2009 | 18h51

Desde o último dia 10, os trabalhadores da fábrica de São José dos Campos fizeram quatro paralisações, como forma de rechaçar a proposta de reajuste salarial apresentada pelo Sinfavea (Sindicato dos Fabricantes de Veículos Automotores) e, depois, pela GM. As primeiras propostas previam apenas reposição da inflação.

Na última sexta-feira, representantes da montadora e do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, filiado à Conlutas, participaram de audiência de conciliação realizada pelo TRT, na qual foi negociada a proposta colocada hoje em votação. Naquele mesmo dia, os trabalhadores haviam iniciado uma nova greve por tempo indeterminado. Na assembleia da tarde de hoje, cerca de 6 mil trabalhadores dos primeiro e segundo turnos aprovaram o reajuste e voltaram ao trabalho.

O reajuste de 8,3% vale para os salários de até R$ 7.000,00. Acima desse valor, haverá um reajuste fixo de R$ 581,00. Também ficou definido o pagamento pela GM de 50% dos dias parados (a outra metade será compensada pelos trabalhadores) e aumento do piso salarial de R$ 1.250,00 para R$ 1.305,50. Como parte do acerto com os metalúrgicos, a GM concordou em reintegrar os diretores sindicais Sebastião Francisco Ribeiro e Eliane dos Santos, demitidos durante a greve na montadora.

Tudo o que sabemos sobre:
grevemetalúrgicosGM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.