Nilton Cardin
Nilton Cardin

Metalúrgicos da GM voltam ao trabalho em São José dos Campos

Demissões foram suspensas e funcionários farão compensação de parte dos dias parados

Gerson Monteiro, Especial para o Estado

24 de agosto de 2015 | 10h14

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - Após assembleia, os metalúrgicos da GM de São José dos Campos (SP) decidiram retornar ao trabalho. O acordo foi costurado pelo sindicato da categoria no Tribunal Regional do Trabalho de Campinas. Os 798 demitidos pela montadora no início do mês entrarão primeiramente em lay-off e depois será aberto um Programa de Demissão Voluntária na unidade.

A suspensão das demissões na unidade do Vale do Paraíba era o ponto principal para por fim à greve iniciada há duas semanas. A metade dos dias parados será compensada pelos trabalhadores e a outra metade será assumida pela empresa, sem desconto nos salários.

Para celebrar o acordo com a GM, o prefeito de São José dos Campos, Carlinhos Almeida (PT), subiu no caminhão de som e conversou com os trabalhadores, declarando apoio às ações que preservem o emprego, independentemente de situação partidária.

Na apresentação da proposta, o líder sindical Antonio Ferreira de Barros comemorou o que a categoria entende como uma vitória. "Entendemos como uma vitória gigantesca, pois não é fácil reverter uma demissão, ainda mais que elas já estavam consolidadas. A força da luta provocou o contrário e deve ser seguida na Volkswagen e na Mercedes-Benz", comentou.

Ainda no Vale do Paraíba, metalúrgicos da Volkswagen de Taubaté estão em greve desde a semana passada, quando a empresa dispensou 50 trabalhadores considerados excedentes. "Vamos mandar uma deleção lá para Taubaté para ajudar aos companheiros nesta luta. O momento é de união", disse o sindicalista.

Em nota, a GM disse que "acredita que essa decisão é positiva, mas não resolve a situação de competitividade do Complexo de São José dos Campos, visto que a paralisação da operação na fábrica por 12 dias, só contribuiu para aprofundar a séria crise que afeta hoje a GM e a indústria automotiva".

Tudo o que sabemos sobre:
setor automotivoGM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.