Metalúrgicos da Volks e Renault decidem parar nesta 5ª

Os metalúrgicos das montadoras Volkswagen/Audi e Renault, instaladas em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, decidiram realizar uma paralisação de 24 horas, em assembléias realizadas nesta quarta. Eles querem pressionar as empresas para melhorar as propostas de reajuste salarial. Os trabalhadores da Volvo esperam até a manhã desta quinta para iniciar a manifestação.Os metalúrgicos pedem reposição da inflação de 2,85%, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), e 5% de aumento real. A primeira proposta do Sindicato dos Fabricantes de Veículos Automotores (Sinfavea) foi do INPC mais 1,3% de aumento real. Foi rechaçada. Ontem, foram apresentados à assembléia dos metalúrgicos os mesmos índices e um abono de R$ 150,00. "É uma afronta", reagiu o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e Região Metropolitana, Sérgio Butka. Ele disse que o sindicato pretende encerrar as negociações com o Sinfavea e passar a conversa separadamente com cada empresa. Toma como referência os acordos feitos pela Ford e Toyota, que conseguiram mais que o proposto pelo Sinfavea. "Há um item no acordo do Sinfavea com as montadoras do ABC de que se for concedido reajuste diferente para qualquer Estado vai ter que conversar de novo com o ABC", reclamou Butka. "Nós não vamos ficar esperando." Nesta quarta deve ser feita avaliação da paralisação, que pode ser estendida. A Renault produz por dia 250 automóveis, a Volkswagen faz 810 e a Volvo, seis a oito ônibus e 32 a 35 caminhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.