Metalúrgicos da Volks no ABC rejeitam proposta da empresa

Trabalhadores da Volkswagen de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, decidiram em assembléia nesta terça-feira que não vão negociar com a empresa qualquer plano que implique em demissões de trabalhadores e corte de direitos trabalhistas. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que comandou a assembléia, está disposto a negociar medidas para redução de custos de produção na fábrica, mas acham ser possível encontrar alternativas diferentes daquelas propostas pela fábrica.A direção da Volkswagen ameaçou na segunda-feira fechar a fábrica do ABC caso os trabalhadores não aceitem o plano de reestruturação proposto em maio que implica na demissão de 3,6 mil trabalhadores e redução de benefícios trabalhistas. "Não vamos aceitar nenhum acordo que signifique redução de direitos ou dispensa de trabalhadores", disse José Lopez Feijoó, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos.Segundo ele, a direção do sindicato vai discutir com a empresa até sexta-feira propostas alternativas. No sábado os trabalhadores vão se reunir na sede do sindicato para apresentar o resultado dessas discussões. "Se não chegarmos a um entendimento vamos para a luta", disse Feijoó. De acordo com Feijoó, a empresa está jogando para os trabalhadores a responsabilidade da má administração que a empresa vem tendo nos últimos anos. O sindicalista disse ainda ser possível discutir uma proposta que inclua o Programa de Demissões Voluntárias (PDV), mas a categoria rejeita qualquer acordo similar ao feito na fábrica de Taubaté, em que as demissões foram indicadas pela própria empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.