Metalúrgicos da Volkswagen mantêm paralisação no PR

Os cerca de 2,7 mil metalúrgicos da Volvo do Brasil, instalada na Cidade Industrial de Curitiba, aceitaram hoje uma proposta da empresa, que reajusta o vale-mercado de R$ 60,00 para R$ 200,00, e decidiram encerrar a greve decretada na última sexta-feira. Durante o período da paralisação, a empresa deixou de produzir aproximadamente 150 caminhões. Os metalúrgicos da Volkswagen, instalada em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, não receberam a proposta que queriam e optaram por continuar a paralisação "pipoca" decidida no sábado.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

20 de setembro de 2010 | 17h21

Na sexta-feira, a direção da Volvo já havia aceitado algumas das cláusulas econômicas defendidas pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba. Os trabalhadores terão reajuste salarial de 10,08% a partir deste mês, o que representa um aumento real de 5,55%, semelhante ao que já tinha sido conseguido pelos trabalhadores da Renault, instalada em São José dos Pinhais, na semana passada. Eles também tiveram a promessa de abono de R$ 4,2 mil, a serem pagos em duas parcelas, uma ainda em setembro e outra no início de outubro.

"Mais uma vez os trabalhadores da Volvo deram exemplo de mobilização, o reajuste do vale-mercado é uma conquista importante, já que esse benefício estava congelado havia 14 anos", afirmou o presidente do sindicato, Sérgio Butka. A empresa emitiu uma nota destacando que a proposta salarial apresentada na sexta-feira foi "bastante favorável". Ela também ressaltou que a Volvo é a "única montadora de veículos do Paraná" a dar o vale mercado.

Na Volkswagen, os trabalhadores do segundo turno não entraram na indústria na tarde desta segunda-feira. No sábado, eles tinham decidido pela greve "pipoca", parando um turno a cada dia. No total, a Volkswagen tem 5,6 mil trabalhadores - 4 mil diretos e 1,6 mil terceirizados. De acordo com o sindicato, até hoje cerca de 820 carros deixaram de ser produzidos. As direções do sindicato e da empresa estavam reunidas nesta tarde para discutir uma proposta a ser apresentada em assembleia amanhã de manhã. A Volkswagen preferiu não se pronunciar sobre a paralisação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.