Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Metalúrgicos de SP iniciam greve nesta quinta-feira

Os metalúrgicos de São Paulo decidiram nesta quarta-feira, na plenária entre os Sindicatos dos Metalúrgicos do Estado (52 no total), iniciar uma greve que percorrerá uma cidade do Estado por dia. A paralisação, que foi denominada de "greve Canguru", tem início nesta quinta-feira na capital paulista, acontecendo em 46 empresas metalúrgicas com aproximadamente 29 mil trabalhadores. O ato de abertura conta com a presença do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo, Eleno Bezerra, e do presidente da Força Sindical, o Paulinho.Depois de São Paulo, a mobilização segue para: Osasco, na sexta-feira, Guarulhos, na segunda, dia 30 e Santo André e São Caetano na terça. Dia 1º de novembro, véspera de feriado, os metalúrgicos fazem greve em municípios do interior do Estado. Na outra semana, dia 6 de novembro, os sindicatos realizam nova plenária na capital paulista para avaliar a repercussão das greves e decidir novas estratégias de campanha.As greves terão, inicialmente, duração de apenas duas horas em cada empresa, podendo ser estendidas, caso não haja o retorno esperado. "Se as propostas patronais não melhorarem vamos definir novas estratégias de pressão e fazer greves mais longas", afirma Bezerra. Os metalúrgicos brigam por reajuste salarial de 10% - o máximo concedido pelos empresários até o momento foi de 3,8%. "Não vamos aceitar o mesmo percentual de aumento real concedido aos metalúrgicos da CUT, que foi em torno de 1,9%", destacou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos. Além do reajuste, eles querem também a redução da jornada de trabalho, plano de saúde, isenção de tarifas bancárias, entre outros.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2006 | 16h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.