Metalúrgicos iniciam série de protestos contra demissões

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, ligado à Força Sindical, deu início hoje a uma série de manifestações em defesa do emprego e de mudanças na economia.O presidente da Força, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, disse que diversas empresas já estão reduzindo a atividade. Os resultados iniciais da diminuição da produção são férias coletivas e folgas de meio de semana, que tendem a se transformar em demissões. "Além da desaceleração provocada pela política de juros altos e câmbio valorizado, a crise política também afeta a confiança do consumidor, que deixa de comprar. E o empresário deixa de investir", disse o sindicalista.A manifestação de hoje aconteceu em frente à BSH Continental, na Mooca. No domingo, às 9hs, está programado um novo protesto na rua Galvão Bueno (Liberdade), sede da Força Sindical.Um levantamento parcial realizado pelo Sindicato dos Metalúrgicos e que serviu de base para as negociações mostra que pelo menos 22 empresas da base, com 9,5 mil funcionários, registram queda nas encomendas e, conseqüentemente, na produção. Empresas como a BSH Continental e a Multibrás, por exemplo, estão concedendo folga ou férias coletivas aos funcionários. Hoje, segundo Paulinho, a Artefato de Arames Artok demitiu 50 funcionários.O balanço realizado pelo Sindicato indica que dos 9, 5 mil trabalhadores das empresas, 2.740 estão em férias coletivas. Há ainda casos de pedidos de redução de salário e jornada, de banco de horas e mudança de empresas para outros municípios. "Para nós, o quadro é reflexo da economia, que não vai tão bem como o governo anuncia, dos juros altos, da carga tributária e da crise política. A crise começa a bater na porta do trabalhador", afirmou Eleno Bezerra, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.