Metalúrgicos paralisam atividades na VW e na GM

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) confirmou hoje que cerca de seis mil metalúrgicos da fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo, paralisaram suas atividades durante a manhã de hoje em protesto contra o excesso de horas extras e pela contratação de pelo menos 350 trabalhadores nas áreas de manutenção, mecânica, elétrica e produção. De acordo com informações do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, haverá uma assembléia às 14h30 na qual os trabalhadores do segundo turno também paralisarão suas atividades por duas horas. Os protestos estão ocorrendo em diversas áreas produtivas da montadora desde segunda-feira.A Central alega que a empresa quer aumentar a produção de veículos neste ano para 240 mil carros, 10 mil a mais que em 2004. No entanto, não houve novas contratações e os metalúrgicos estariam sendo sobrecarregados com horas extras. O sindicato promete diminuir o ritmo de produção da montadora caso as reivindicações não sejam atendidas. A Volkswagen ainda não se manifestou sobre o assunto.A Força Sindical também organizou uma manifestação hoje pela manhã na fábrica da GM, em São Caetano do Sul, contra a alta dos juros promovida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) desde setembro. A produção foi retomada às 8 horas. A montadora também não quis comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.