Metalúrgicos querem jornada de 36 horas semanais

Integrantes da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CMN) decidiram hoje, durante encerramento do congresso nacional, em São Paulo, realizar uma campanha nacional para reduzir de 40 para 36 horas semanais a jornada de trabalho da categoria.Segundo o secretário de administração e finanças da CMN, Wilson Roberto Caveden, uma ampla campanha nacional de mobilização será realizada, ao longo do ano, para reduzir a carga semanal de trabalho. "Vamos batalhar para baixar a jornada. O ideal seria que ela não fosse maior do que 36 horas", afirmou. Caveden disse que, no caso dos que trabalham nas montadoras, a jornada de trabalho atualmente é de 40 horas semanais. "Os que trabalham nas montadoras estão em uma situação mais favorável do que os demais, que geralmente fazem 44 horas semanais", afirmou.Durante o congresso da categoria, os metalúrgicos debateram também questões sobre a conjuntura e reposição de perdas salariais. "Vamos trabalhar para que haja reposição salarial", disse o secretário de administração e finanças da CMN. Para ele, não é possível estabelecer um índice comum de reajuste porque "depende da realidade de cada Estado e do aumento de produtividade de cada setor da categoria".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.