Metalúrgicos rejeitam proposta e greve continua na Bosch

Os 3.650 metalúrgicos da unidade da Bosch instalada na Cidade Industrial de Curitiba não aceitaram a nova proposta da empresa de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), segundo informou o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, e mantiveram a greve deflagrada sexta-feira. Já os 950 trabalhadores do setor administrativo concordaram com a proposta e retornaram ao trabalho. Se houver nova proposta, os metalúrgicos voltam a se reunir hoje de manhã. Do contrário, haverá nova assembleia somente na segunda-feira.

Evandro Fadel, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2011 | 00h00

A Bosch ofereceu PLR de R$ 6 mil para 100% das metas e R$ 7 mil para 115% das metas. A primeira parcela seria paga em 1º de julho, no valor de R$ 5,2 mil.

O sindicato disse que metas superiores a 100% são "inatingíveis". A justificativa é que elas já estão "extremamente arrochadas". Segundo a entidade, os valores oferecidos pela Bosch estão abaixo do que o mercado vem pagando.

Em nota, a Bosch disse que a proposta enviada pela empresa foi aprovada pelos trabalhadores, mas o sindicato decidiu dar continuidade à mobilização "com a minoria que votou contra a proposta". Segundo a empresa, quem for trabalhar não terá desconto dos dias parados. A Bosch afirmou, ainda, que em 2010 a maioria excedeu os 100% das metas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.