Metalúrgicos reprovam do aumento da Selic

O presidente do maior sindicato de trabalhadores do País, dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi, Eleno José Bezerra, afirmou que recebeu a notícia da elevação da taxa básica de juros em 0,50 ponto porcentual com "indignação e revolta". Segundo ele estes são os sentimentos dos metalúrgicos diante da decisão do Copom. "O aumento foi acima do esperado e revela a incapacidade do governo de promover um crescimento sustentável, com geração de emprego e renda e de controle da inflação. A decisão do Copom beneficia, mais uma vez, o setor financeiro, e compromete a difícil retomada do desenvolvimentoeconômico e social", disse.Segundo Bezerra, a justificativa para o aumento da taxa, baseada no aumento do preço do petróleo e da renda do trabalhador, "não passa de mais um engodo". De acordo com ele, "os salários continuam defasados. A pequena recuperação apurada pelas pesquisas se dá em função da tímida retomada da economia, que o governo deveria alimentar e não frear com as altas taxas de juros. Quanto ao petróleo, demonstra que o governo continua refém das políticas externas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.