Metroviários de SP podem aprovar início da greve para terça-feira

As principais reivindicações são participação nos lucros igual para os funcionários e melhoria na jornada de trabalho

Beatriz Bulla, da Agência Estado ,

27 de setembro de 2012 | 18h06

SÃO PAULO - Após reunião com representantes do Metrô que terminou sem nova proposta por parte da empresa na manhã desta quinta-feira, o Sindicato dos Metroviários de São Paulo(Metroviários-SP) organiza assembleia, a partir das 18h30, com trabalhadores para decidir se entram em greve na próxima terça-feira (dia 2). A categoria está em estado de greve desde o último dia 13 e deu prazo até esta quinta-feira para que o Metrô apresentasse proposta que agrade aos funcionários. Até agora, segundo o sindicato, a proposta não veio.

Procurado, o Metrô ainda não se manifestou sobre o resultado da reunião desta quinta-feira. De acordo com o diretor de comunicação do sindicato, Ciro Moraes, a empresa apresentou hoje a mesma proposta que levou os trabalhadores a aprovarem o estado de greve.

As principais reivindicações dos metroviários são participação nos lucros (PLR) igual para todos os funcionários e pagamento antecipado de abril de 2013 para outubro deste ano, além de melhoria na jornada de trabalho.

"Até 2007, ganhávamos participação dos resultados linear. Em 2007, tivemos uma greve que foi retaliada pelo Metrô com demissões. O protesto dos trabalhadores era por conta da decisão de usar a proporcionalidade de 30% na participação dos resultados", afirmou Moraes. De acordo com ele, desde 2008, a PLR recebida pelos trabalhadores é de parcela fixa somada ao montante proporcional a 40% do salário.

"Este ano, eles (Metrô) resolveram inovar com proposta de pagamento de PLR proporcional de 100% aos engenheiros, 80% para o plano representativo da empresa (coordenadores, assessores, gerentes e altos cargos) e 40% para dos demais trabalhadores. Todo ano lutamos para resgatar divisão linear da PLR", disse o diretor de comunicação do sindicato. O Metrô ainda não confirmou as informações passadas pelo sindicato.

Em nota distribuída à imprensa na última quinta-feira (20), o Metrô informou que a proposta de PLR "acompanha as variações salariais existentes na companhia, com garantia de que nenhum empregado da empresa receberá valor inferior a R$ 4.140,63". Além disso, a nota dizia que o pagamento será feito em abril de 2013 e que nenhum empregado realiza jornada acima de 40 horas semanais.

Tudo o que sabemos sobre:
grevemetroviarios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.