Mexer no FGTS?

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mexer no FGTS?

No atual cenário econômico, mudanças no Fundo de Garantia podem ser problemáticas

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2016 | 21h00

O governo parece disposto a mudar o Fundo de Garantia. A intenção pode ser boa, mas a proposta tende a produzir distorções, algumas delas maiores do que as que se pretende evitar.

Melhor começar em 1966. O que havia antes era o regime de estabilidade no emprego, que o trabalhador obtinha após dez anos de trabalho na mesma empresa. A principal distorção desse estatuto era a de que o empregador tendia a demitir seu funcionário pouco antes de se completarem os dez anos, para que sua empresa não se sujeitasse a enorme passivo trabalhista. E havia também o problema de que o empregado estável tinha tendência a encostar o corpo e a se tornar mais estorvo do que colaborador.

Entre as reformas decididas pelo governo militar esteve o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, o FGTS, criado em 1966. A ideia foi corrigir as distorções do regime de estabilidade e formar, em nome de cada trabalhador, um fundo com a contribuição mensal da empresa, correspondente a 8% do salário bruto. O Fundo ajudaria, assim, a aumentar a poupança nacional. Esses recursos poderiam ser sacados pelo trabalhador em caso de demissão sem justa causa, na aposentadoria, no financiamento de casa própria e em casos de graves dificuldades financeiras. Enquanto permanecesse no Fundo, os recursos rendiam correção monetária (depois, Taxa Referencial de Juros – TR) mais juros de 3% ao ano. O sistema era opcional, o trabalhador que preferisse continuar no esquema anterior poderia fazê-lo. Com o tempo, a adesão foi praticamente total, enquanto os estáveis foram se aposentando.

O sistema passou a ser fator de alta rotatividade da mão de obra, na medida em que o trabalhador se interessou em sacar seu fundo para complementar o orçamento. O baixo retorno também estimulou os saques porque a maioria das aplicações financeiras proporciona remuneração melhor. A caderneta de poupança, por exemplo, que paga pouco, rende o dobro dos juros (6% ao ano) oferecidos pelo FGTS. E, com isso, o Fundo deixou, também, de criar poupança nacional, porque ficou sujeito a saques desmontadores.

A nova ideia  é restringir os saques apenas à aposentadoria, transformar o FGTS em espécie de fundo de aposentadoria complementar, supostamente para que possa pagar remuneração melhor.

São pelo menos dois os inconvenientes técnicos. O primeiro é o de que tira acesso do trabalhador a um fundo de reserva quando mais precisa de recursos, que é o período em  que está desempregado. O segundo é o de que não convém misturar FGTS com aposentadoria. São coisas diferentes, especialmente quando a proposta é usar os recursos do Fundo para financiar seguro-desemprego. E fundos compulsórios de aposentadoria complementar tendem a ser mal administrados, mesmo levando-se em conta a possibilidade de migração de administradora pelo titular da conta (portabilidade), o que, por si só, não garante melhor remuneração.

A questão mais grave é a oportunidade. Mexer no FGTS agora, quando a economia está estagnada e há quase 12 milhões de desempregados, é criar ruídos demais em matéria sobre a qual não há segurança que se apresente como avanço nas relações de trabalho.

CONFIRA:

Esta foi a evolução do Índice Bovespa ao longo de 2016.

Acima dos 60 mil

A valorização acumulada da cesta da Bolsa em 2016 (até esta quinta-feira) é de 39%. Depois de amargar nível inferior aos 50 mil pontos ao longo do segundo semestre de 2015, o Ibovespa acaba de ultrapassar os 60 mil pontos. A alta reflete o aumento da confiança na política econômica e a expectativa de que as mais importantes empresas voltarão a apresentar bons resultados. Dado o ainda alto nível de incertezas é provável que, em algum momento, sobrevenha um ajuste.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso MingFgtsEconomia Brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.