Mexicanos rejeitam capital privado no petróleo, diz oposição

Governo do México diz que necessidade de capital na estatal petrolífera é 'urgente'.

Da BBC Brasil, BBC

28 de julho de 2008 | 15h18

Os primeiros resultados de uma consulta popular feita pela oposição no México indicam que a proposta de entrada de capital privado na maior empresa petroleira do país foi rejeitada.Segundo a contagem mais recente, mais de 86% das que pessoas que votaram disseram "não" ao ingresso de capital privado na estatal Petróleos Mexicanos (Pemex). Os resultados definitivos devem ser divulgados na terça-feira.A consulta foi realizada em 11 dos 32 Estados mexicanos. Ela foi organizada pela oposição ao governo do presidente mexicano, Felipe Calderón. O presidente enviou neste ano uma proposta de reforma energética ao Congresso. O plano do governo prevê uma modernização da estatal Pemex, com "associação estratégica com investidores de capital privado".O governo argumenta que os recursos petrolíferos do México estão se esgotando. Entre 2002 e 2007, as reservas de petróleo do país teriam caído em 27%.Calderón diz que a entrada de capital privado é urgente para o futuro da indústria do país, que precisa investir em pesquisa e desenvolvimento.'Entrega'O Senado mexicano passou mais de dois meses discutindo a abertura da indústria petrolífera do país ao capital privado, mas não chegou a um consenso.A oposição acusa o plano de servir como uma "entrega do país às grandes companhias petrolíferas estrangeiras" e defende o uso mais eficiente dos recursos da Pemex.Segundo analistas, a consulta tem um significado mais político do que prático, já que o resultado não precisa ser reconhecido pelo governo.O referendo foi proposto pela oposição e por Andrés Manuel López Obrador, rival político de Calderón.Nas últimas eleições presidenciais, López Obrador acusou Calderón de fraude eleitoral, após ser derrotado.Segundo analistas, o referendo proposto agora seria uma retomada da campanha contra o que López Obrador chama de um "governo ilegítimo".A participação popular no referendo foi menor do que se esperava. Cerca de 870 mil pessoas votaram, em vez das 1,3 milhão estimadas.A consulta foi organizada pela Frente Ampla Progressista - que reúne siglas de esquerda como os partidos da Revolução Democrática (PRD) e do Trabalho (PT) e o Convergencia - e foi criticada por analistas, por funcionários da Pemex e pelo governista Partido Ação Nacional (PAN).BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.