México: Cemex conclui refinanciamento de dívida de US$ 15 bi

Empresa, que está entre as três maiores fabricantes de cimento do mundo, fez acordo com 75 bancos

Marcílio Souza, da Agência Estado,

14 de agosto de 2009 | 13h03

A fabricante de cimentos mexicana Cemex concluiu e assinou nesta sexta-feira, 14, o refinanciamento de cerca de US$ 15 bilhões em dívidas. Em comunicado, a empresa informou que o acordo com 75 bancos e portadores de notes estende os vencimentos para até fevereiro de 2014, com uma agenda de pagamentos semestrais.

 

A Cemex pagará aos credores o juro da taxa oferecida no interbancário de Londres (Libor) mais 4,5 pontos porcentuais sobre a dívida refinanciada, e uma taxa fixa de 8,91% sobre US$ 895 milhões do total do pacote de refinanciamento.

 

A Cemex disse que o acordo, no qual a Lazard atuou como único consultor financeiro, inclui compromissos financeiros revisados, obrigações de pré-pagamentos e outras limitações.

 

"Estamos satisfeitos com o resultado desse refinanciamento, já que ele melhora significativamente nosso perfil de vencimento de dívida e dá à companhia maior flexibilidade e capacidade para diversificar as fontes de crédito", disse o executivo-chefe do grupo, Lorenzo Zambrano, em comunicado.

 

A Cemex disse que o acordo envolve um pacote de garantias, incluindo ações em algumas de suas subsidiárias. A companhia disse que pretende usar fluxo de caixa livre, recursos com a venda de ativos secundários e transações no mercado de capitais para cumprir sua agenda de pagamentos. A Cemex não fez nenhuma menção específica a uma esperada emissão de ações.

 

A empresa, que está entre as três maiores fabricantes de cimento do mundo, começou a enfrentar problemas para pagar sua dívida após gastar US$ 15,5 bilhões na compra da australiana Rinker em 2007; depois desse acordo, a crise no mercado imobiliário dos EUA derrubou seus lucros.

Tudo o que sabemos sobre:
CemexMéxicodívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.