México elimina imposto de importação para milho, trigo e soja

O presidente mexicano, FelipeCalderón, afirmou neste domingo que o governo eliminará todosos impostos sobre a importação de milho, arroz, trigo e outrosprodutos para evitar um desabastecimento diante da crisemundial de alimentos. Além disso, o México irá autorizar uma cota para importaçãode feijão, mas não especificou a quantidade, e vai buscaracordos com a indústria alimentícia para impedir altasdesmedidas dos produtos básicos. "Queremos que esses produtos básicos possam ser trazidos aoMéxico desde qualquer parte do mundo ao melhor preço para osconsumidores mexicanos", disse Calderón em sua residênciaoficial Los Pinos, junto a parte de sua equipe. O milho é a base da dieta dos mexiacnos e parte dos famosostacos, quesadilhas e outros produtos feitos com tortilhas. Os produtos básicos registram fortes altas há dois anos,mas principalmente nos últimos meses no mercado mundial, devidoprincipalmente ao uso de grãos para produzir biocombustiveis eaos altos preços do petróleo. Calderón também anunciou facilidades para a importação defertilizantes, o que abrangerá cerca de 500.000 produtores. Em um panorama para 10 anos sobre os cenários possíveis dospreços dos alimentos, que será publicado na próxima semana, aOrganização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO, na siglaem inglês) disse que não vê um retorno aos níveis de preçosantes da crise. A expectativa é que os preços nominais dos cereais, doarroz e das oleaginosas serão uns 35 a 65 por cento superioresque a média dos últimos 10 anos, afirmou o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.