México nega estar se alinhando aos EUA em detrimento da AL

A embaixadora do México no Brasil, Cecília Soto, argumenta que a crise diplomática entre o governo de seu país e o de Cuba não deve ser interpretada como resultado do alinhamento dos mexicanos aos Estados Unidos e nem à influência dos interesses americanos na região. A embaixadora negou ainda que México venha adotando uma postura crescentemente pró-americana em detrimento da América Latina no momento em que o Brasil demonstra diferenças substanciais com o governo do presidente George W. Bush, principalmente nas negociações comerciais no âmbito da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).Por meio da porta-voz da Embaixada, em Brasília, a embaixadora afirmou ainda que não vê como a decisão de o México pedir ontem que o embaixador cubano deixasse o país até amanhã (terça-feira) e a de exigir a retirada imediata de seu embaixador em La Havana possa vir a afetar as relações de seu país com o Brasil.Em nota distribuída pelo governo mexicano e repassada pela Embaixada à Agência Estado, o governo do presidente Vicente Fox explica que o México não está declarando uma ruptura de relações com Cuba, mas tomando uma posição muito clara de que não aceita nem aceitará ingerência (do governo cubano) em decisões interna e externas do país.Durante as celebrações do Dia do Trabalho, o presidente cubano, Fidel Castro, afirmou que alguns países (México, Chile e Peru, entre outros) da região não mostravam verdadeiros sentimentos em defesa pelos direitos humanos, mas respondiam a manobras dos Estados Unidos. Relações com o BrasilA diplomata mexicana lembrou que, nos últimos meses, houve um estreitamento na relações entre os dois países e um exemplo disso é o incremento do comércio e, principalmente, dos investimentos mexicanos no mercado brasileiro. Portanto, acrescentou a porta-voz a pedido da embaixadora, "o papel da Embaixada foi é e será o de estreitar ainda mais as relações com o Brasil".A porta-voz acrescentou ainda que, durante a recente visita do Ministro de Relações Exteriores mexicano, Luis Ernesto Derbez, os dois países deram continuidade ao intenso processo de diálogo e cooperação. "Em comunicado conjunto, os ministros Celso Amorim e o chanceler Derbez reafirmaram a importância que os governos do Brasil e do México atribuem ao propósito da integração latino-americana e trocaram informações sobre os diferentes processos de integração que vêm sendo desenvolvidos", comentou a porta-voz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.