México pode se associar ao Mercosul em seis meses

O México pode se associar ao Mercosul nos próximos seis meses, segundo informou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan. Durante palestra concedida em almoço promovido pela Associação Brasileira de Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas, o ministro havia informado que o prazo para que isso ocorresse era de 12 meses.Segundo o ministro, o acerto ganhou corpo depois do encontro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente mexicano Vicente Fox na reunião do G-8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo, mais a Rússia) em São Petersburgo, na Rússia. Posteriormente, no encontro do Mercosul em Córdoba, na Argentina, o ministro de relações exteriores mexicano, Luis Ernesto Derbez, teria demonstrado a intenção de acelerar o processo de ingresso do México no bloco. "Ele disse que nesses seis meses se cumpriria a trajetória para que o México faça parte como país associado", afirmou Furlan.O ministro não soube detalhar em que fase está o processo, mas destacou a vontade política existente entre os países membros para que a associação do México ocorra em breve. "Há uma manifestação concreta de vontade política, o que é muito importante. E como candidato da situação (Felipe Calderón) foi eleito como sucessor do presidente Fox no México, há uma expectativa de que esse desejo esteja também refletido na opinião do novo presidente", concluiu.

Agencia Estado,

07 de agosto de 2006 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.