Michelin prevê cortar até 1,7 mil postos na França até 2011

Fabricante de pneus apresentou 'otmização' e 'automatização de funções' como pretexto para demissões

Marcílio Souza, da Agência Estado,

25 de junho de 2009 | 12h22

A fabricante de pneus francesa Michelin informou nesta quinta-feira, 25, que entre 650 e 1,7 mil postos de trabalho poderão ser cortados até 2011, com a automatização de algumas funções, a otimização da organização e a não substituição dos funcionários que deixarem o grupo.

 

Com isso, os cortes de empregos da empresa na França, incluindo os que já foram anunciados,

poderão chegar a 3,5 mil até o final de 2011, disse um porta-voz da companhia.

 

Outra fabricante de pneus, a japonesa Bridgestone, disse que espera obter lucro líquido em torno de zero neste ano, depois de registrar lucro de 10,41 bilhões de ienes (US$ 108 milhões) no ano passado.

 

De acordo com a empresa, a queda das vendas no mercado interno e a pressão da apreciação do iene sobre as exportações deverão cancelar os benefícios da redução dos gastos com matérias-primas e dos esforços para limitar o aumento de custos.

 

O grupo, que concorre diretamente com a Michelin, prevê lucro operacional de 56 bilhões de ienes este ano, 57% menor que o de 131,55 bilhões de ienes do ano passado, e receita 19% inferior, de 2,62 trilhões de ienes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.