Michelin vai recorrer ao BNDES para nova fábrica

A fabricante francesa de pneus Michelin pretende recorrer ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para viabilizar um investimento de cerca de US$ 200 milhões para a construção da quarta fábrica da empresa no Rio, em Itatiaia, no sul do Estado. A informação é do presidente da Michelin para a América do Sul, Luiz Fernando Beraldi. De acordo com ele, apesar do anúncio do novo investimento, não está descartada a hipótese de demissões no Brasil e em outras partes do mundo."(A crise) traz uma preocupação, mas nós temos de nos preparar para o futuro. Uma fábrica como essa vai começar a rodar no segundo semestre de 2011. Não sei quanto tempo vai durar a crise, mas certamente não vai durar para sempre", afirmou Beraldi, que fez ontem o anúncio oficial da nova unidade no Palácio Laranjeiras, com a presença do governador do Rio, Sérgio Cabral.A crise provocou uma queda de demanda por pneus da Michelin. A empresa suspendeu temporariamente sua produção por meio de férias coletivas de 20 dias para três mil funcionários em suas três fábricas no Rio. A produção ficou paralisada de 15 de dezembro a 5 de janeiro para a companhia ajustar sua produção. Segundo Beraldi, a possibilidade de demissões será analisada com o fim das férias coletivas, com base no comportamento do mercado.O investimento anunciado oficialmente ontem pela Michelin vai gerar 200 empregos diretos. A nova fábrica vai produzir pneus para veículos de passeio. Segundo Beraldi, alguns produtos podem gerar uma economia de até 8% no consumo de combustível. As obras deverão ser iniciadas no segundo semestre.Além do BNDES, bancos europeus também poderão ser procurados pela Michelin, informou Beraldi.A Michelin tem outras três fábricas no Rio, duas delas localizadas também em Itatiaia. Uma unidade produz cabos de fio de aço e a outra, pneus de passeio para exportação. A fábrica mais recente fica em Campo Grande, na zona oeste da capital fluminense, inaugurada em fevereiro de 2008, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O investimento foi de US$ 200 milhões. A fábrica de Campo Grande gerou 400 empregos diretos e é responsável pela produção de pneus de grande porte para máquinas de mineração e terraplenagem. A capacidade de produção dessa unidade é de 400 mil toneladas por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.