Micro e pequenas empresas detêm 43% de vagas formais no País

Estudo do Sebrae e Dieese destaca ainda que 3,8 milhões de estabelecimentos declaram não ter empregados

Isabel Sobral, da Agência Estado,

11 de julho de 2008 | 12h42

O Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae), em parceria com o Dieese, informou nesta sexta-feira, 11, que o segmento de micro e pequenas empresas foi responsável pela abertura de cerca de 43% dos 5,3 milhões de postos de trabalho, com carteira assinada, gerados no Brasil, entre 2002 e 2006. No estudo Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa, que está em sua segunda edição, as instituições destacaram que foram identificados pouco mais de 6 milhões de estabelecimentos entre micro, pequenos, médios e grandes empregadores. Desse total, 2,2 milhões declaram ter empregados e outros 3,8 milhões de estabelecimentos declaram não ter empregados. De acordo com o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, esse universo de 3,8 milhões declarantes de não ter empregados, chama a atenção e será melhor estudado pelo Sebrae. "Temos uma estimativa de que mais ou menos 1 milhão desses empreendimentos possam ter empregados não declarados e é preciso colocar mais luz sobre isso", afirmou Okamotto, destacando que esse tipo de estudo permite a elaboração de políticas públicas que possam solucionar os entraves que ainda existem para a contratação formal de trabalhadores. Do universo de empresas que declararam ter empregados, principalmente as pequenas, o estudo revela que aumentou um pouco a formalização (carteira assinada), e também melhorou o rendimento médio dos empregados. O comércio foi a atividade econômica de maior destaque em geração de empregos com carteira assinada pelos micro e pequenos empresários. A pesquisa também mostrou um aumento na contratação de jovens e mulheres pelas micro e pequenas empresas. A principal fonte de dados do Sebrae foi a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), elaborada anualmente pelo Ministério do Trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.