Microcrédito já provoca efeitos positivos, diz Palocci

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, afirmou hoje que a economia brasileira mostra os primeiros sinais de aquecimento. "Os dados que estavam mostrando restrições no processo econômico começam a se acomodar. Esse é o primeiro sinal que vamos começar a ter um aquecimento", disse o ministro. Segundo ele, o conjunto de medidas já adotadas pelo governo tem permitido a redução dos juros em todo o mercado. Entre essas medidas, Palocci citou o programa de incentivo ao microcrédito, que começou a funcionar esse mês. "Já há redução de juros em todo o mercado e a redução de juros no consumo básico. Esse conjunto de medidas certamente vai trazer uma crescimento da economia", afirmou.O ministro disse ainda que o programa de desconto em folha de empréstimos concedidos pelos bancos para trabalhadores da iniciativa privada vai ser também um importante medida para a redução do spread bancário ? diferença entre os juros de captação e as taxas cobradas nos empréstimos.Palocci informou que a Medida Provisória que permitirá o desconto em folha já está praticamente pronto, faltando a assinatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Está praticamente pronta. A grande novidade é o desconto em folha, porque permite reduzir bastante o spread. Ele cria o ambiente de negociação entre empresas, bancos e entidades sindicais, que vai permitir um redução expressiva do spread bancário", afirmou. O ministro disse também que o governo estuda algumas idéias para melhorar o crédito dos trabalhadores aposentados. Respondendo à Associação ComercialO Ministério da Fazenda, confirmou ele, está estudando o pleito da Associação Comercial de São Paulo para que as empresas tenham um prazo maior de recolhimento dos impostos federais. Com essa medida, as empresas do comércio reduziriam o custo do seu capital de giro e poderiam oferecer um crédito mais barato para os consumidores. Palocci disse que a proposta é viável: "Vamos estudar. Tecnicamente é viável. Existem algumas dificuldades estruturais nossas, mas vamos avaliar a possibilidade de fazer", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.