Miguel Jorge: fim da CPMF atrasará política industrial

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, afirmou hoje que a decisão do Senado de não prorrogar a cobrança da CPMF não só atrasará a divulgação da nova política industrial, como também afetará o seu conteúdo. "O prejuízo, destacou, recairá nas empresas", afirmou.O ministro informou que vai convocar para a semana que vem uma reunião em Brasília com representantes dos órgãos envolvidos na elaboração da política industrial. Entre eles, a ABDI, o BNDES e o Ministério de Ciência e Tecnologia. O ministro lembrou que um dos pilares da nova política, que não chegou a ser apresentada ao presidente Lula, era a desoneração de setores produtivos.Ele não quis antecipar se a partir de agora a política industrial será mais concentrada nos pilares de compras governamentais e financiamentos. Miguel Jorge está em Caracas, na Venezuela, acompanhando a visita do presidente Lula com Hugo Chávez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.