Milhares de pessoas são esperadas na passeata 'Veta, Dilma', no Rio

Manifestação se posiciona contrariamente ao projeto aprovado no Congresso que redistribui os royalties e participações especiais, reduzindo a parcela de estados produtores    

Sabrina Valle, da Agência Estado,

26 de novembro de 2012 | 14h15

RIO - Milhares de pessoas são esperadas nesta segunda-feira, 26, para a manifestação "Veta, Dilma: contra a injustiça, em defesa do Rio", contra o projeto aprovado no Congresso que redistribui os royalties e participações especiais, reduzindo a parcela de estados produtores.

Mais de duas horas antes da passeata, marcada para a tarde desta segunda-feira, o trânsito na Avenida Rio Branco e ruas transversais já estava fechado. A manifestação deve ocorrer sob chuva leve.

A Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro) publicou hoje anúncios em jornais afirmando que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso a presidente Dilma Rousseff não vete o texto do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), aprovado na Câmara. O projeto, além de mudar a divisão para campos ainda a serem licitados, também redistribui campos já contratados.

A manifestação se inicia na Candelária, Centro do Rio de Janeiro, e percorrerá a Avenida Rio Branco até a Cinelândia, onde estão programados 11 shows. Às 18h, Alcione inicia a cerimônia cantando o Hino Nacional. A cantora Preta Gil, a atriz Maria Flor e o rapper Marcelo Silva serão os mestres de cerimônia. Haverá shows também de Naldo, Buchecha, Belo, Molejo, Fundo de Quintal e Monobloco.

O Estado de São Paulo será representado pelo secretário de Energia, José Aníbal. O governador, Geraldo Alckmin, não pôde comparecer por causa dos problemas de segurança enfrentados pelo estado. Caravanas do interior do Rio também participarão.

O Estado do Rio diz que, se aprovado, o projeto causará perdas de R$ 2,079 bilhões apenas em 2013, o que forçará o cancelamento de projetos.

A Ompetro diz que o Estado do Rio de Janeiro vai perder R$ 77 bilhões até 2020. "São menos escolas, menos hospitais, menos saneamento, menos infraestrutura. Sem os royalties, até a extração do petróleo fica comprometida", disse a organização em anúncio publicado em jornais.

Fazem parte da organização os municípios de Arraial do Cabo, Armação de Búzios, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Carapebus, Casimiro de Abreu, Macaé, Niterói, Quissamã, Rio das Ostras e São João da Barra.

Tudo o que sabemos sobre:
veta dilmaroyaltiespasseata

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.