Milho dispara e puxa preços dos grãos

A queda na produtividade das lavouras de milho dos Estados Unidos fez disparar o preço do grão na Bolsa de Chicago e provocou uma forte elevação nas cotações de outros grãos, como a soja e o trigo. O contrato dezembro da commodity subiu 3,48% e fechou em US$ 5,1325 por bushel. Além dos problemas na safra norte-americana, o mercado preocupa-se com a estiagem na América do Sul, que pode prejudicar o plantio da nova safra, e com a possibilidade de geadas na China, grande consumidor do produto. Os EUA são os maiores produtores e exportadores de milho do mundo e suas estimativas de rendimento da safra 2010/11 foram revisadas para baixo sucessivas vezes. O risco é que os estoques ao final desse período fiquem abaixo de 25 milhões de toneladas no país, nível considerado crítico. A relação entre estoques e consumo em 2011 será a menor em 15 anos.

Análise: Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2010 | 00h00

Na mesma bolsa, as cotações da soja também deram um salto. O contrato novembro se valorizou 3,2%, para US$ 10,69 por bushel. Como a oleaginosa divide área com o milho nos EUA, seus preços têm que acompanhar o do grão para não desestimular o plantio na próxima safra. No atual ciclo, contudo, o país deverá colher uma produção recorde.

Ainda na esteira do milho, o contrato dezembro do trigo subiu 2,8%, para US$ 7,3925 por bushel. O preço do cereal acumula ganho de quase 70% desde junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.