Mineradora do Casaquistão faz nova compra no Brasil

LONDRES

, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2010 | 00h00

A companhia de mineração ENRC, do Casaquistão, desembolsou US$ 304 milhões para assumir o controle de alguns ativos de minério de ferro no Brasil, expandindo sua base na América do Sul após uma recente aquisição.

O negócio anunciado ontem, em conjunto com as expansões já previstas, possuem o potencial de elevar a produção de minério de ferro do grupo para 71 milhões de toneladas por ano, sendo que dois terços desse volume viriam do Brasil.

No mês passado, a empresa anunciou a aquisição do restante do projeto BML no Brasil por US$ 670 milhões, e obteve uma opção para comprar um projeto contíguo por mais US$ 150 milhões.

"Juntas, essas aquisições mostram o foco da companhia no aumento do valor da unidade de minério de ferro e nosso comprometimento com a atuação no Brasil", afirmou o presidente executivo da ENRC, Felix Vulis.

Na operação anunciada ontem, a companhia adquiriu 100% da Mineração Minas Bahia S/A (MIBA) e 51% da Mineração Peixe Bravo S/A.

A ENRC comprou os ativos de várias acionistas, incluindo a família Couri e a Steel do Brasil Participações S/A - que abriu mão de seu acordo para comprar todas as ações da Miba e metade da Mineração Peixe Bravo para permitir que a ENRC negociasse uma transação independente com os vendedores. Pelo acordo, além disso, a ENRC vai contratar a Steel do Brasil para prestar serviços de consultoria, uma vez que a empresa já vinha trabalhando na Miba.

Reservas. A Miba possui direitos minerais sobre o projeto Jiboia, em Minas Gerais, distante cerca de 150 quilômetros da ferrovia Leste-Oeste, que está em construção.

"Como vários projetos de minério de ferro no mundo, esse possuía desafios logísticos. Mas a ferrovia vai abrir a oportunidade de desenvolver essa reserva", afirmou Jim Cochrane, diretor comercial da ENRC, em uma teleconferência.

Jiboia possui um potencial de 2,86 bilhões de toneladas, com um conteúdo de ferro médio de 25,9%. A empresa estima um gasto de US$ 2,6 bilhões para desenvolver o projeto. A construção de Jiboia está prevista para 2013,com a conclusão projetada para 3 anos depois. A expectativa é de que a produção atinja 25 milhões de toneladas por ano entre 2016/2017. / REUTERS E DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.