carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Mineradoras agora exploram o mar

Dois grupos se preparam para explorar reservas submarinas de potássio, usado na fabricação de fertilizantes

Nicola Pamplona, O Estadao de S.Paulo

13 de agosto de 2009 | 00h00

O Brasil pode se tornar pioneiro na exploração de reservas submarinas de potássio. Segundo o Departamento Nacional de Pesquisa Mineral (DNPM), duas empresas já requisitaram licença para a atividade, que é encarada pelo governo como prioritária por causa da necessidade de reduzir as importações de matérias-primas para a fabricação de fertilizantes. A meta é atingir a autossuficiência no setor em um prazo de 10 anos.As companhias Itafós Fertilizantes, do Brasil, e Atacama Minerals, do Canadá, foram as primeiras a solicitar licença para a exploração de potássio no mar. O mineral pode ser encontrado em depósitos de sal no subsolo, como os encontrados na região do pré-sal. "É o mesmo sal do pré-sal. Só precisamos ver se é feito de cloreto de sódio ou de potássio", diz o diretor administrativo da Itafós, Carlos Braga.Segundo ele, a ideia é estudar o uso da tecnologia desenvolvida para a exploração de petróleo na busca por potássio no subsolo. A empresa ainda não tem estimativas sobre custo do investimento, alegando estar em fase preliminar de estudos. O diretor-geral adjunto do DNPM, João César de Freitas Pinheiro, explica que os reservatórios de sal em questão são menos profundos do que os do pré-sal, o que torna a exploração mais barata.Ainda aguardando a autorização do DNPM, a Itafós não decidiu por onde iniciará a pesquisa. A companhia opera hoje uma mina de fosfato - também usado na produção de fertilizantes - em Tocantins. Já a canadense Atacama recebeu em maio uma autorização para pesquisa geológica em uma área de 1,4 mil quilômetros quadrados ao sul de Salvador, onde prepara-se para iniciar uma campanha de perfuração. Pinheiro diz que a companhia também requereu autorização para exploração de reservas submarinas de potássio, atividade ainda inédita no mundo. "O Brasil tem um potencial geológico fantástico. Não tenho dúvida de que atingiremos a autossuficiência (em matérias-primas para fertilizantes) em até 10 anos", afirma o diretor do DNPM. O País importa atualmente 90% de seu consumo de minerais usados para a produção de fertilizante - a produção interna é de 400 mil toneladas por ano, para um consumo anual de 4,2 milhões de toneladas. O tema está na pauta do governo, que quer garantir maior segurança no suprimento do insumo, fundamental para o desenvolvimento da agroindústria. Na semana passada, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, criticou publicamente a Vale, que estaria retardando a exploração de duas minas para as quais tem direitos de exploração na Amazônia. "Ou a Vale trata disso (de desenvolver a produção), ou abre mão da exploração", afirmou o ministro. Pinheiro, do DNPM, porém, minimiza a questão, dizendo que entraves ambientais dificultam a atividade mineradora na região.Ele diz preferir um esforço no desenvolvimento de jazidas mais próximas da costa. "Depois partimos para a Amazônia." A Vale opera hoje a única mina de potássio fertilizante no Brasil, em Sergipe, e tem outros dois depósitos na mesma região - um deles em fase piloto de produção, com teste de uma nova tecnologia de extração do mineral com a injeção de água quente nos reservatórios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.