WILTON JUNIOR/ ESTADAO 27/01/2019
WILTON JUNIOR/ ESTADAO 27/01/2019

Mineradoras revelam dados sobre barragens

A BHP, que opera 67 barragens, disse na sexta-feira, 7, que definiu uma força-tarefa para aprimorar seu foco na gestão de barragens

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2019 | 05h00

As gigantes globais da mineração BHP, Anglo American e Glencore revelaram detalhes sobre suas barragens de rejeitos, meses após um grupo de investidores ter solicitado as informações na sequência do colapso de uma barragem da brasileira Vale em Brumadinho (MG) em janeiro, que matou mais de 200 pessoas

A BHP, que opera 67 barragens, disse na última sexta-feira, 7, que definiu uma força-tarefa para aprimorar seu foco na gestão de barragens e ampliar a segurança.

A maior mineradora do mundo acrescentou que uma avaliação para estudar a gestão de suas barragens de rejeitos após um desastre registrado em 2015 em uma estrutura da Samarco, que matou 19 pessoas, não identificou preocupações imediatas sobre a integridade das barragens.

A Samarco é uma joint venture da Vale e da BHP. O desastre de Brumadinho também levantou questões sobre a segurança de barragens de rejeito ao redor do mundo.

A Anglo American também publicou na sexta-feira detalhes sobre suas 91 barragens de rejeitos, além de dados de outras 62 unidades operadas por meio de joint ventures, e disse que está trabalhando em tecnologias para reduzir o volume de rejeitos produzidos em suas atividades.

A Glencore, por sua vez, criou uma página em seu site para dar informações detalhadas sobre as barragens de armazenamento de rejeitos e afirmou que um dos principais especialistas do mundo, a Crippen Berger, audita de forma independente a integridade e segurança de suas estruturas desse tipo.

Comitê

Mais cedo neste ano, o Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM), um grupo da indústria cujos membros incluem Glencore, BHP e outras 25 empresas, disse que um comitê irá avaliar e definir padrões para o design e a manutenção de barragens de rejeitos até o final do ano.

O ICMM disse em março que está trabalhando com o Programa das Nações Unidas para o Ambiente e Princípios para Investimento Responsável (PRI) para desenvolver novos padrões para essas barragens.

O PRI reúne investidores preocupados com a ética, um grupo que inclui a Igreja da Inglaterra, por exemplo.

Esses investidores, que têm trabalhado por um padrão global para barragens de rejeitos, escreveram em abril para 683 empresas listadas, incluindo as grandes mineradoras, pedindo que fossem tornadas públicas em até 45 dias informações sobre as barragens. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.