'Minha Casa 3' terá início no 1º semestre de 2015 com 350 mil unidades, diz Mantega

Segundo o ministro, a maior parte das regras do programa será mantida na nova fase, inclusive o regime especial de tributação

Victor Martins e Renata Veríssimo, Agência Estado

17 de setembro de 2014 | 19h50

O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira a transição do programa Minha Casa Minha Vida, da segunda para a terceira etapa. A proposta é contratar 350 mil unidades no primeiro semestre de 2015. 

O ministro, que estava acompanhado da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, e do presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, afirmou que estenderá o tempo do benefício fiscal do programa, que reduz os tributos de 7% sobre o faturamento para 1%. Esse benefício, que acabaria no fim de 2014, valerá por mais quatro anos. O presidente da CBIC explicou, no entanto, que a redução é de 6% para 1%.


Segundo Mantega, as empresas têm de se preparar desde já para dar continuidade ao programa. “Estamos lançando, no primeiro semestre de 2015, 350 mil novas unidades, de modo que o setor tenha muito trabalho pela frente para dar conta desse início do Minha Casa Minha Vida 3”, afirmou Mantega. “Vamos manter a maior parte das regras, de modo que não tenha dificuldades, para que possamos ganhar tempo e ter continuidade absoluta”, disse.


O ministro explicou ainda que, quando chegar novembro e dezembro, o programa já terá terrenos e projetos e, já em janeiro, pode começar a fazer as contratações. A mudança, segundo explicou Mantega, não ocorrerá por decreto, será por medida provisória. “Estamos estudando se é possível simplesmente dar continuidade ao MCMV 2. É um detalhe jurídico. O que interessa é que haverá essa contratação”, argumentou.


O ministro Mantega, a ministra Mirian e o presidente da CBIC discutiram ainda as concessões. “Há a necessidade de um novo programa de concessões que venha a se somar ao programa em vigor”, observou.


Mantega disse ainda que é bom lembrar que esses programas, seja o Minha Casa Minha Vida, seja o de concessões, foram criados na época da crise. “Foram medidas anticíclicas, para a época da crise, cujos efeitos estão se mitigando. O setor de construção pode dar essa resposta”, disse. “Na época da crise, foram a solução para aumentar o investimento e oferecer a população aumento de bens e serviços, diminuir o déficit habitacional e aumentar o emprego”, ponderou.


O ministro ainda observou que o setor de construção é o grande gerador de emprego, com 3,5 milhões de postos. Ele disse também que o avanço do segmento permitiu uma grande formalização dos empregos e que o setor tem grande importância para o crescimento do País.

Tudo o que sabemos sobre:
minha casa minha vidaconstrução

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.