cruswebandi / Pixabay
cruswebandi / Pixabay

Ministério da Agricultura diz que o sistema fiscalização está alerta e garantindo qualidade

Em nota, o ministério que “a investigação da PF é a maior prova de que o sistema de proteção e fiscalização está alerta e funcionando plenamente"

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2017 | 18h37

BRASÍLIA - Com objetivo de tentar tranquilizar os mercados internacionais que consomem carne brasileira e que importam nossos produtos, que foram alvo de denúncias de irregularidades, o Ministério da Agricultura divulgou, neste sábado, 18, nota informando que o sistema brasileiro de fiscalização está “alerta” e garantindo ao consumidor a “qualidade dos produtos de origem agropecuária de nosso país”. A nota foi divulgada após demorada avaliação do Planalto com os Ministérios da Agricultura e Relações Exteriores. Diante da cobrança que já surgiu por parte das autoridades estrangeiras por conta das denúncias, particularmente das europeias, Temer convocou para segunda-feira, 20, às 14 horas, uma reunião com embaixadores dos países para os quais o Brasil exporta seus produtos. Além disso, neste domingo, 19, o presidente convocou outra reunião de emergência com as entidades que representam o setor, no Palácio do Planalto, para discutir a crise e pedir também empenho deles para ajudar na luta pela manutenção da qualidade da carne brasileira.

Na nota, o Ministério da Agricultura diz ainda que “o Serviço de Inspeção Federal é considerado um dos mais eficientes e rigorosos do mundo” e que “a investigação da Polícia Federal e a pronta reação das nossas autoridades do Ministério da Agricultura é a maior prova de que nosso sistema de proteção e fiscalização está alerta e funcionando plenamente e servem como garantia ao consumidor da qualidade dos produtos de origem agropecuária de nosso país”. O Ministério salienta ainda que “alguns fatos pontuais começaram a ser investigados após denúncia de um servidor da área de fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento” e cita que, “ao todo, 33 fiscais federais estão sob investigação e três plantas foram interditadas, enquanto outras 21 estão sob fiscalização especial”.

A nota faz questão de explicitar que a preocupação do governo não é só com a exportação, embora este seja o principal temor do governo, por conta do impacto que terá nas exportações, em um momento em que o Planalto faz um esforço monumental para reverter o quadro recessivo da economia e as vendas para o exterior são fundamentais para a retomada do crescimento. Depois de destacar a eficiência e rigor do SIF, a nota informa que “o governo brasileiro, através dos seus serviços de fiscalização, da Polícia Federal e outros órgãos de controle cumpre seu papel de garantir a qualidade e sanidade, tanto dos produtos alimentícios destinados ao mercado externo quanto ao mercado interno, sejam de origem animal ou vegetal”.

A nota faz comparação ainda entre o numero de funcionários que o serviço de inspeção federal possui - 2.300 servidores, que inspecionam 4.837 unidades produtoras habilitadas para exportação para 160 países, e que são 33 fiscais federais sob investigação. “Foi com este Serviço que construímos uma reputação de excelência na agropecuária e conseguimos atender às exigências rigorosas de diferentes nações”, justificou.

Ainda neste sábado, 18, o presidente Michel Temer falará por telefone com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A conversa já estava marcada, mas a expectativa é que o problema da carne seja abordado na conversa, para que o Brasil tranquilize aquele país sobre a qualidade do produto brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.