Divulgação
Divulgação

Ministério da Agricultura libera novos agrotóxicos; no ano já são 382

Foram liberados 6 produtos novos, 41 genéricos e 10 defensivos biológicos e orgânicos; governo diz que defensivos são mais seguros

Tânia Rabello, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2019 | 12h17

O Ministério da Agricultura aprovou nesta quinta-feira, 3, o registro de 6 novos agrotóxicos, 41 genéricos - cujo princípio ativo já existia no mercado e teve a patente expirada - e 10 defensivos biológicos e orgânicos. Desde o início do ano, o total de registros concedidos chega a 382, informou a pasta em nota. O aprovação foi publicada no Diário Oficial da União, por meio do Ato nº 70, de 2/10/2019.

De acordo com o ministério, dos registros deste ano, 214 são produtos técnicos - ou seja, destinados exclusivamente a uso industrial - e os 168 restantes são produtos formulados, que já estão prontos para serem adquiridos pelos produtores rurais, mediante a recomendação de um engenheiro agrônomo. "Além disso, desses 168, 24 são produtos biológicos ou orgânicos", informou a pasta.

A nota do ministério explica, ainda, que os seis agrotóxicos registrados agora são formulados com base em ingredientes ativos novos. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tem ressaltado a importância de se aprovarem moléculas novas de defensivos agrícolas, por serem menos tóxicos e mais seguros.

Entre as moléculas novas aprovadas nesta leva estão produtos à base de Dinotefuram, para controle de insetos sugadores como percevejos e mosca-branca. O Ministério da Agricultura adverte, porém, que esse ingrediente ativo terá restrição quanto à dose máxima permitida e ao uso em época de floração das culturas, para proteger insetos polinizadores.

Entre os produtos biológicos e orgânicos aprovados estão dois inéditos: um à base de Heterorhabditis bacteriophora e outro de Hirsutella thompsonii. O primeiro é usado para controle da larva-alfinete, praga da batata. O segundo controla o ácaro-rajado, praga que ataca soja, feijão, milho e algodão, além de frutas como morango, maçã, pera, uva, maracujá, melancia, abacaxi e cacau.

O Ministério da Agricultura defende, na nota, a aprovação dos produtos e reforça que "nos últimos anos, diversas medidas desburocratizantes foram adotadas para que a fila de registros de defensivos ande mais rápido no Brasil". "O objetivo é aprovar novas moléculas, menos tóxicas e mais ambientalmente corretas, e assim substituir os produtos antigos, além da liberação de produtos genéricos. Pela lei, nenhum produto atual pode ser registrado com toxicidade maior do que os existentes no mercado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.