Ministério da Agricultura simplifica norma de importação de vinhos

Com o objetivo de racionalizar a importação de vinhos e derivados do vinho e da uva, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) decidiu limitar a verificação de parâmetros analíticos (teor alcoólico, acidez e açúcar, entre outros) no processo de desembaraço aduaneiro, observando apenas as características organolépticas (sensoriais), suficientes para detectar problemas relativos à deterioração do produto (alterações na cor, aroma e sabor).A mudança - oficializada pela Instrução Normativa (IN) nº 33, de 04/10/2006, publicada no Diário Oficial da União (DOU)- foi discutida na Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Viticultura, Vinhos e Derivados.Segundo a coordenadora-geral de Vinhos e Bebidas do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do Mapa, Graciane Gonçalves Magalhães, os parâmetros analíticos (num total de dez) serão avaliados no país de origem do produto e seus certificados expedidos por órgão oficial, ou oficialmente credenciado. Já a Instrução Normativa nº 34, de 04/10/2006, também publicada no DOU, permite que as cooperativas produzam seus próprios vinhos, além de receber e engarrafar o produto de seus associados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.