Ernesto Rodrigues/ Estadão
Ernesto Rodrigues/ Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ministério da Economia diz que coronavírus tornou crescimento 'desafiador' em 2020 e defende reforma

Em nota sobre o resultado da atividade econômica de 2019, a pasta afirmou que a composição do PIB indica 'melhora substancial', com 'aumento consistente do crescimento do PIB privado e do investimento privado'

Amanda Pupo e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 12h23

BRASÍLIA - O Ministério da Economia avaliou nesta quarta-feira, 3, que a epidemia do coronavírus, iniciada na China, tornou o cenário para o crescimento de 2020 mais "desafiador" ao reduzir a expectativas de crescimento mundial e "adicionar incertezas" sobre a evolução do comércio internacional.

"Ainda não se sabe qual será a magnitude e a duração do surto, o que dificulta um cálculo preciso de seus impactos econômicos. É importante destacar que os governos e os bancos centrais ao redor do mundo estão provendo estímulos fiscais e monetários para atenuar o impacto do coronavírus", informou, por meio de nota à imprensa.

Atualmente, a previsão de crescimento da economia brasileira neste ano, feita pelo Ministério da Economia, é de 2,40%. No ano passado, segundo informações divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 1,1%. Foi a 3ª alta anual consecutiva após 2 anos de retração, mas o ritmo lento de recuperação ainda mantém a economia do país abaixo do patamar pré-recessão.

O ministério coloca, por outro lado, que fatores que irão contribuir para um crescimento "maior neste ano", citando medidas que buscam melhorar a alocação de recursos na economia, que, segundo a pasta, tendem a produzir "efeitos maiores". A pasta também afirma que a consolidação do ajuste fiscal deverá permitir a continuidade do processo de substituição do setor público pelo setor privado.

"O investimento deve acelerar, puxado pela redução na taxa de juros, aumento da lucratividade das empresas e expansão do crédito. O prosseguimento da agenda de reformas também pode contribuir nesta direção. Os dados do início do ano indicam que a confiança industrial segue em recuperação e os dados de mercado apontam para uma retomada robusta do emprego, fortalecendo o cenário de redução no desemprego ao longo do ano", conclui.

'Melhora substancial'

Em nota informativa para comentar o resultado da atividade econômica de 2019, que teve crescimento de 1,1%, o ministério destacou que a composição do PIB indica uma “melhora substancial”, com “aumento consistente do crescimento do PIB privado e do investimento privado”. Para a pasta, isso mostra que a economia passa a mostrar dinamismo independentemente do setor público. O ministério também pontua ser “fundamental” a continuidade da agenda de reformas para a consolidação da retomada da economia.

“A agenda de reformas consolidando o lado fiscal e combatendo a má alocação de recursos mostra ser a estratégia adequada, e sua continuidade é fundamental para a consolidação da retomada da economia”, diz.

O comunicado do ministério comandado por Paulo Guedes aponta também que indicadores do mercado de trabalho e de crédito do setor privado mostram aquecimento com os “melhores resultados desde 2013”, e que o segundo semestre de 2019 teve crescimento anualizado de 2,3%, sendo o melhor segundo semestre desde 2013. “Após um primeiro trimestre com crescimento baixo, diante de seguidos choques negativos (tragédia de Brumadinho, crise na Argentina e intempéries climáticas), o crescimento voltou a apresentar um ritmo de recuperação consistente”, afirma o ministério.

Do lado da demanda, a nota destaca o crescimento dos investimentos (2,2%) e do consumo das famílias (1,8%), enquanto que o gasto do governo se retraiu em 0,4%. Já sob a ótica da oferta, o ministério pontua que o crescimento em 2020 foi puxado principalmente pelo crescimento dos serviços (1,3%) e da agropecuária (1,3%).

“O aumento do consumo das famílias e do investimento, e acompanhado pela redução no consumo do governo reforçam a tendência de crescimento do PIB privado em substituição do setor público”, diz a pasta.

O ministério coloca que, embora a formação Bruta de Capital Fixo agregada em 2019 ter ficado em patamar inferior ao ocorrido em 2018, “há evidências de que o investimento privado no ano passado (com os dados acumulados em 12 meses até o 3º trimestre de 2019) cresceu acima do valor realizado em 2018”.

Para a pasta, os resultados melhores do setor privado são reflexos da política econômica que foca no aumento da produtividade, corrigindo a má alocação de recursos e fortalecendo a consolidação fiscal, afirma. “O crescimento mais robusto no segundo semestre já reflete os efeitos, embora parciais, das mudanças no FGTS e a queda da inflação e dos juros, como consequência de menor concorrência no setor público na atividade e na poupança nacional”, diz.

Choques

A nota cita ainda que o ano de 2019 foi marcado por choques adversos na economia, como a guerra comercial entre EUA e China, que, pontua o ministério, reduziu o crescimento global no ano passado, “levando a uma menor demanda de bens de exportação brasileiros e um menor apetite por investimentos no país”.

“A continuidade do ajuste fiscal, o encaminhamento de reformas estruturais e as medidas adicionais de correção da má alocação dos recursos na economia foram fundamentais para pavimentar um caminho de maior crescimento e seus efeitos devem repercutir com maior intensidade nos próximos anos”, diz.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.