Will Shutter/Câmara dos Deputados
Will Shutter/Câmara dos Deputados

Ministério da Economia teme modificação no marco do saneamento para volta de contratos sem licitação

Deputados da comissão têm sido alvos de um disparo de mensagens que pedem o apoio ao parecer apresentado

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2019 | 13h00

BRASÍLIA - Integrantes do Ministério da Economia estão em alerta com a apresentação do voto em separado do deputado Fernando Monteiro (PP-PE) na comissão especial que discute o novo marco legal do saneamento por permitir a volta dos contratos sem licitação. 

O texto do deputado foi avaliado negativamente pela pasta, que trabalhou de forma ativa nas discussões do relatório apresentado pelo deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), cujo teor tem o apoio do ministério comandado por Guedes

Deputados da comissão têm sido alvos de um disparo de mensagens que pedem o apoio ao parecer apresentado por Monteiro. O voto em separado do deputado, diferente do texto do relator, permite que novos contratos de programa (sem concorrência) sejam fechados entre municípios e empresas estaduais de saneamento. Essa é uma das diferenças em relação ao texto de Geninho, considerado pelo setor como mais convidativo à iniciativa privada em relação ao projeto aprovado em junho pelo Senado.

O projeto veda a realização dos chamados contratos de programa, que não têm concorrência e são fechados diretamente entre os titulares dos serviços – geralmente municípios – e as concessionárias. Essa modalidade de contrato é bastante usada na prestação de serviços pelas companhias estaduais de saneamento.

O projeto determina a abertura de licitação, com a participação de empresas públicas e privadas, e acaba com o direito de preferência das companhias estaduais. O formato do contrato poderá ser, por exemplo, a parceria público-privada (PPP), firmada entre empresa privada e o governo federal, estadual ou municipal.

 “Vote a favor do Relatório do Deputado Fernando Monteiro. Saneamento básico é serviço público essencial e não deve ser objeto de exploração e lucros exorbitantes. Tarifa cara eu não vou pagar. Olha o exemplo do Chile”, diz a mensagem. Integrante da comissão, o deputado do Novo Tiago Mitraud disse que recebeu centenas de mensagens como essa pelo aplicativo de conversas WhatsApp. “Isso aconteceu na Previdência também”, comentou o deputado. 

Para o secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, a movimentação em torno do relatório de Monteiro, que teve indicações de apoio por parte da oposição, não terá impacto na comissão especial. A preocupação, segundo ele, é de que o discurso ganhe força no plenário da Câmara. “A comissão especial não me preocupa tanto, mas sinceramente não sei se este discurso falacioso pode acabar contaminando a discussão no plenário”, disse ao Estadão/Broadcast. 

Mac Cord ainda rebateu a referência ao Chile citada na mensagem, de que o que ocorreu no país seja um exemplo negativo da entrada da iniciativa privada no setor. “Chile é o maior exemplo de como o modelo que a gente defende deu certo”, disse. Estudo do Ministério da Economia aponta que, após o setor de saneamento chileno passar por um processo de privatização, os serviços de tratamento de esgoto foram universalizados no país, alcançando em 2013 atendimento de 100% da população. 

As privatizações arrecadaram US$ 2,5 bilhões a indústria investiu US$ 3,5 bilhões em infraestrutura de 2000 a 2012 (principalmente em tratamento de esgoto), afirma o estudo da pasta. 

Votação

A previsão é de que o relatório de Geninho seja votado na comissão especial nesta quarta-feira (30). Depois disso, é analisado pelo plenário da Câmara. Como mostrou o Estadão/Broadcast, o presidente da comissão, Evair de Melo (PP-ES), estima que o texto do deputado já tem votos suficientes para ser aprovado no grupo, composto por 34 parlamentares. Geninho deve apresentar uma nova versão de seu texto nesta terça-feira (29), com alterações estudadas após sugestões de parlamentares e entidades. 

Já o texto de Monteiro recebeu demonstrações de apoio na última semana pelos deputados de oposição que integram o grupo. Ele só será analisado na comissão caso o relatório de Geninho seja derrotado. 

Apresentado no último dia 9, o texto do relator passou a sofrer ofensivas por parte de deputados de partidos como Psol, PCdoB e PT, além de ter sido criticado em carta assinada por governadores do Nordeste. No documento, os mandatários afirmam que o parecer do deputado “fere o pacto federativo, a organização e autonomia dos Estados, Municípios e do Distrito Federal”. 

A carta indica que, se for aprovado na Câmara, o texto de Geninho pode ter dificuldades para passar no Senado. Como o relator na Câmara prevê mudanças em relação ao texto validado pelos senadores em junho, o PL teria de voltar para a casa vizinha. O desafio é porque, no Senado, o Nordeste é a região que tem mais assentos. Além disso, muitos são alinhados aos governadores. 

O temor do secretário de Infraestrutura é de que, a exemplo do que ocorreu no Senado em junho, "jabutis" sejam inseridos no texto de "última hora" durante as discussões no plenário. Como exemplo de um desses "jabutis", Mac Cord citou a parte do projeto aprovado pelos senadores que dá o prazo de cinco anos para que a prestação de serviço em municípios sem contrato seja formalizada, possibilitando ainda que esses novos contratos de programa tenham vigência por um prazo de 30 anos. 

O relatório de Geninho retira essa previsão. O deputado define que, nessas situações, os contratos terão prazo máximo de validade de apenas 48 meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.