Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Ministério da Economia terá seis secretarias

Primeiro esboço da Pasta que será comandada por Paulo Guedes foi desenhado nesta semana; equipe estuda uma Secretaria de Privatizações

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - A equipe de transição do governo de Jair Bolsonaro fez nesta semana um primeiro esboço do que deve ser o superministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. A estrutura da nova pasta – resultado da fusão dos ministérios da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio Exterior – prevê a criação de seis secretarias. 

Elas estão sendo estruturadas conforme os objetivos do futuro governo: privatizar, fazer o ajuste fiscal, avançar nas reformas microeconômicas, intensificar o comércio exterior e buscar a inovação tecnológica nas empresas e no próprio governo. 

Há, porém, muitas dúvidas quanto ao desenho final. Nesta terça-feira, 20, Guedes confirmou a criação de uma Secretaria de Privatizações. Mas, questionado se essa nova estrutura ficaria sob sua supervisão ou vinculada diretamente à Presidência da República, ele admitiu: “não sabemos”.

Tampouco está claro se ele terá uma espécie de vice-ministro ou três secretários executivos para supervisionar as seis secretarias, que ficarão um grau hierárquico abaixo.

Na estrutura em discussão, o superministério poderá agregar áreas que estão com outras pastas. Por exemplo, a defesa da concorrência, hoje no Ministério da Justiça, e a estrutura que administra o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), hoje no Ministério do Trabalho. 

Além de uma secretaria que cuidará de privatização, desestatização e venda de imóveis do patrimônio da União, o modelo que está servindo de base para as discussões prevê uma Secretaria Econômica, voltada para o ajuste fiscal. Essa grande secretaria deverá reunir o Tesouro, a Secretaria de Política Econômica – hoje no Ministério da Fazenda – e a secretaria de Orçamento do Ministério do Planejamento.

Outra secretaria pode reunir a Receita Federal, Previdência Social e a área do Ministério do Trabalho que cuida do FAT.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, uma quarta secretaria cuidará da modernização do Estado e governo digital, abocanhando áreas de tecnologia da informação, governo digital e gestão de pessoal da União.

Outra secretaria vai fundir o comércio exterior, que está hoje no Mdic, com as áreas internacionais do Planejamento e da Fazenda. A sexta secretaria estará voltada para inovação tecnológica, competitividade, produtividade e temas voltados à infraestrutura – áreas que são todas relacionadas à reforma microeconômicas e regulatórias que Guedes considera essenciais para acelerar os investimentos.

Após definir postos chaves como o Banco Central, BNDES e Petrobrás, Guedes deu o pontapé inicial para fechar a estrutura do Ministério da Economia. Há urgência, pois sem formalizar o novo desenho num decreto, ele não poderá nomear seus principais assessores a partir de 1º de janeiro.

A escolha dos nomes para compor a nova estrutura deve ocorrer após o futuro ministro bater o martelo sobre os comandos do Banco do Brasil, Caixa e Eletrobrás. / COLABORARAM LUCIANA DYNIEWICZ E LUISA MARINI, ESPECIAL PARA O ESTADO

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo Guedes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.