finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ministério da Previdência discute saída para reajuste do INSS

Projeto em votação na Câmara propõe reajustar benefício pelo mesmo índice aplicado ao salário mínimo

LEONENCIO NOSSA E ISABEL SOBRAL, Agencia Estado

06 de novembro de 2009 | 14h45

O ministro da Previdência Social, José Pimentel, se reuniu nesta sexta-feira, 6, no Centro Cultural Banco do Brasil, com o chefe de gabinete da Previdência, Gilberto Carvalho e com o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, para definir um caminho político alternativo de reajuste do valor dos benefícios previdenciários de valores acima do salário mínimo.

 

Veja também:

linkAlencar pede responsabilidade em valor de aposentadoria

Segundo assessores da Presidência da República, existe a possibilidade de o assunto ser discutido ainda nesta sexta-feira entre o ministro Pimentel e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O encontro estava agendado para a manhã desta sexta, mas acabou não acontecendo. Mas existe também a expectativa de que essa discussão ocorra somente na segunda-feira, em São Paulo.

O governo tenta encontrar uma saída para evitar a votação do projeto, que tramita na Câmara, e que propõe o reajuste dos benefícios previdenciários pelo mesmo porcentual de correção aplicado ao salário mínimo, o que implicaria em um aumento de gastos de R$ 6,9 bilhões no próximo ano.

O governo conseguiu barrar a votação da proposta na Câmara na última quarta-feira. Como era o segundo item da pauta, a votação do projeto foi adiada, porque dependia da apreciação da Medida Provisória 466, que trata de energia elétrica nos sistemas isolados. Para a próxima semana, o presidente da Câmara, Michel Temer pretende dar prioridade à votação das propostas que regulamentam a exploração do petróleo na camada pré-sal, adiando assim, mais uma vez, a discussão do reajuste das aposentadorias e pensões de valores acima do mínimo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.