coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Ministério define monitoramento de 290 tipos de resíduos

O Ministério da Agricultura definiu o monitoramento dos níveis máximos de 290 tipos de resíduos e contaminantes para este ano, os quais são usados em carnes (bovina, suína, equina, caprina, ovina e de avestruz), leite, pescado, mel e ovos. O número de produtos que serão monitorados aumentou 40% sobre os 207 tipos de 2012. A relação de produtos consta da instrução normativa publicada na edição desta sexta-feira do "Diário Oficial" da União (DOU), que atualiza o subprograma de monitoramento referente ao Plano Nacional de Controle de Resíduos Biológicos em Produtos de Origem Animal (PNCRB).

AE, Agencia Estado

31 de maio de 2013 | 16h17

O Ministério da Agricultura afirma que o subprograma é atualizado anualmente pela Coordenação de Resíduos e Contaminantes (CRC), subordinada à Secretaria de Defesa Agropecuária. "O objetivo principal é promover a garantia de qualidade do sistema de produção de alimentos de origem animal ao longo das cadeias produtivas, levando em consideração a efetividade dos autocontroles instituídos por todos os entes responsáveis pela segurança do alimento", afirma o ministério, em nota.

O coordenador de Resíduos e Contaminantes do ministério, Leandro Feijó, diz que a publicação da normativa oficializa a finalidade do PNCRB, que é obter informações sobre a frequência, níveis e distribuição dos resíduos de produtos de uso veterinário e contaminantes nas espécies monitoradas em todo o País. Os exames serão realizados nos laboratórios oficiais e credenciados da Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários. A amostragem será aleatória, com sorteio dos estabelecimentos sob o Serviço de Inspeção Federal (SIF) e propriedades rurais dos quais serão colhidas as amostras.

Tudo o que sabemos sobre:
Defesa agropecuáriacontroleresíduos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.