Ministério divulga diretrizes sobre leilões de energia até maio--secretário

A portaria com diretrizes sobre leilões de energia nova programados para esse ano será divulgada até maio, segundo o secretário de Planejamento Energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura Filho.

Reuters

19 de abril de 2013 | 14h32

O ritmo de trabalho está bem adiantado, de acordo com o secretário, e a publicação pode até ocorrer antes disso.

Altino disse que a partir da publicação será possível confirmar se haverá ou não participação de térmicas movidas a carvão no leilões.

"O sistema elétrico brasileiro está precisando de usinas térmicas de baixo custo de combustível", disse ele a jornalistas em evento no Rio Janeiro. "Nesse contexto, estamos analisando a questão da térmica à carvão mineral como uso térmico na base", adicionou ele.

A ideia do governo é realizar em 2013 um leilão de reserva para energia eólica e rodadas A-3 e A-5 (com entrega de energia para 2016 e 2018).

GÁS

Altino se mostrou otimista com o futuro leilão para exploração de gás que será promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) no segundo semestre. Para ele, o gás será competitivo a ponto de no futuro ser usado na geração termelétrica do país.

A estimativa é que o gás natural em terra tenha um custo entre 4 e 5 dólares por BTU. Caso isso se confirme, será um custo bem menor do que os preços praticados atualmente. "Nesse nível de preço de gás, a térmica a ciclo combinado é bem competitiva e o GNL (gás natural liquefeito) não", afirmou o secretário.

"Todas as indicações que temos até agora é que nesses locais das rodadas devemos ter uma quantidade de gás bem significativa e imaginamos que o setor elétrico pode usar esse gás na geração. Seriam instaladas usinas a ciclo combinado na boca do poço e injetando energia no sistema", completou.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIALEILOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.