Ministério do Planejamento quer vetar aumento de 16,6% a aposentados

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse nesta quinta-feira que vai sugerir ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva o veto aos projetos aprovados pelo Congresso Nacional que reajustam os benefícios da Previdência Social em 16,6% e tornam obrigatório o recolhimento de FGTS dos empregados domésticos. O ministro disse que não há previsão orçamentária para o aumento das aposentadorias. Isto poderia, segundo Bernardo, desequilibrar a previdência. "Temos de manter a saúde da Previdência Social", disse Bernardo. Sobre o projeto que torna obrigatório o recolhimento de FGTS dos empregados domésticos, ele considera que a iniciativa tenderia a aumentar a informalidade nesse mercado de trabalho. O ministro ressaltou, ao mesmo tempo, que essa é a posição do Ministério do Planejamento. "Não sei se será a do presidente Lula. Ele ouve todas as partes envolvidas e toma uma decisão. Da nossa parte, a posição é essa", afirmou Bernardo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.