Marcelo Casall Jr./Agência Brasil
Marcelo Casall Jr./Agência Brasil

Governo corta projeção do PIB e vê inflação maior em 2022

Mesmo com revisão para baixo, a estimativa do Ministério da Economia para o PIB do ano que vem ficou acima de 2%, na contramão do mercado; pasta já vê inflação chegando a 9,70% este ano

Eduardo Rodrigues e Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2021 | 10h06
Atualizado 17 de novembro de 2021 | 18h28

BRASÍLIA - O Ministério da Economia revisou para cima sua projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta de preços neste ano passou de 7,90% para 9,70%.

Para 2022, a projeção passou de 3,75% para 4,70%. No último relatório Focus, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central estimaram que o IPCA deve acumular alta de 9,77% em 2021 e de 4,79% em 2022. A pasta reduziu suas estimativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste e no próximo ano, que, ainda assim, estão mais otimistas que as previsões do mercado.

Todas as projeções para a inflação em 2021 estão bem acima do centro da meta deste ano, de 3,75%, que tem uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,25% a 5,25%). No caso de 2022, a meta é de 3,50%, com margem de 1,5 ponto (2,00% a 5,00%).

O Ministério da Economia também atualizou a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) - utilizado para a correção do salário mínimo. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta do indicador neste ano passou de 8,40% para 10,04%. Para 2022, a projeção passou de 3,80% para 4,25%.

A estimativa para a alta do IGP-DI em 2021 passou de 18,00% para 18,66%. Para o próximo ano, a projeção passou de 4,70% para 5,42%.

Revisão nas projeções para o PIB

O ministério atualizou sua estimativa para a recuperação da economia em 2021, de avanço de 5,30% para alta de 5,10% no PIB, enquanto o mercado segue reduzindo ainda mais suas projeções para a evolução da atividade neste e no próximo ano.

No último relatório Focus, os analistas de mercado estimaram uma alta de 4,88% para o PIB de 2021. Para 2022, a estimativa no Focus é de alta de 0,93%, sendo que as respostas somente nos últimos cinco dias até a divulgação do relatório já apontaram para um crescimento de apenas 0,81% no próximo ano.

De acordo com o Boletim Macrofiscal, a perspectiva de crescimento em 2021 se apoia no bom carregamento estatístico de 2020, na taxa de poupança elevada, na rápida recuperação do investimento, no mercado de crédito robusto e na recuperação dos serviços, especialmente prestados às famílias. O documento, por outro lado, cita riscos, como a questão hídrica e uma eventual piora da pandemia de covid-19.

Como antecipou o Estadão, o ministério manteve a projeção para o crescimento da economia em 2022 acima de 2%, indo na contramão das estimativas do mercado: a estimativa da SPE passou de alta de 2,50% para 2,10%. A pasta manteve ainda as projeções de crescimento da economia de 2023, 2024 e 2025 - todas em 2,50%.

Na sexta-feira-feira, 12, bancos revisaram as projeções para o PIB de 2022 após resultados negativos da economia. O JP Morgan prevê que o PIB vai ficar estável. O Haitong estima queda de 0,3% e o Credit Suisse, de 0,5%. A economista-chefe do Credit Suisse no País, Solange Srour, disse ao Estadão que a alta dos juros e a perspectiva de inflação alta, além da mudança do teto de gastos, levaram o banco a revisar os números. 

Mercado de trabalho é a esperança do governo

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, reconheceu há pouco que o crescimento da economia no governo Jair Bolsonaro é menor do que outros períodos da história, mas é mais positivo do que o resto do mundo. “Quando se leva cenário externo em consideração, estamos obtendo resultados importantes”, disse, citando um crescimento previsto de 0,75% no Brasil entre 2019 e 2021, contra 0,60% dos países avançados e -0,85% da América Latina. 

Sachsida ainda argumentou que mais importante que o número do crescimento é a qualidade. “Insistimos em agendas estruturais que garantam crescimento de longo prazo”, disse, durante coletiva de imprensa para comentar a nova grade de parâmetros.

Sobre o cenário para 2022, a SPE destaca que a projeção fundamenta-se em dados positivos do mercado de trabalho, que vem se recuperando da queda na pandemia, e também cita alto volume de investimentos contratados para o ano que vem, em parte decorrente de leilões e concessões.

“A força de retomada do mercado de trabalho me parece suficiente para crescimento acima de 2% no ano que vem”, disse o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, durante coletiva de imprensa.

Sachsida argumentou que as taxas de participação e ocupação devem voltar aos padrões históricos no próximo ano, com a melhora da pandemia, especialmente com o retorno ao mercado dos trabalhadores informais. “O Brasil é um país pobre, infelizmente, não pode ter tanta gente sem procurar trabalho.”

Segundo o secretário, a expectativa é de que o mercado de trabalho absorva cerca de 5 milhões de trabalhadores nos próximos 12 meses, sendo que 3,4 milhões informais e 1,5 milhão com carteira assinada. 

Sachsida ainda afirmou que há expectativa de forte crescimento do investimento em 2022, liderado por concessões e privatizações. “Ao contrário de período anteriores, como de 2009 a 2014, quando o governo escolhia os ‘campeões nacionais’, hoje o mercado escolhe onde e quanto investir.”

Ele destacou que a poupança acumulada será a base para retomada do financiamento dos investimentos privados. “Temos crescimento estrutural da produtividade no Brasil. O crédito direcionado está caindo.”

O secretário também comentou que a quebra das cadeias produtivas globais afetaram o lado da oferta do Brasil, mas seu restabelecimento tendem a incentivar bons resultados em 2022. 

Por outro lado, Sachisida pontuou que houve piora recente do cenário internacional, com a crise energética e desenvolvimento desfavorável em alguns parceiros do Brasil, assim como deterioração das condições financeiras.

No curto prazo, o secretário disse que há expectativa de melhora dos serviços em novembro, após queda em setembro. “A partir de outubro, indicadores de mobilidade têm melhorado bastante.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.