Ministério erra na classificação de Estados sobre febre aftosa

Apenas Santa Catarina é considerado livre da doença sem vacinação

Fabíola Salvador, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2007 | 00h00

Pecuaristas e frigoríficos de cinco Estados e do Distrito Federal começaram o dia de ontem vislumbrando ganhar mais com as exportações de carne bovina, mas a possibilidade de ganhos extras foi por água abaixo em poucas horas. O ganho adicional seria reflexo do reconhecimento, por parte do Ministério da Agricultura de que Acre, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Santa Catarina e Goiás tinham sido considerados como áreas livres de febre aftosa, sem vacinação. O reconhecimento do governo federal permitiria que os Estados pedissem a mesma classificação sanitária para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o que, além de comprovar a eficácia das ações de defesa desenvolvidas nos Estados, é um atestado de qualidade para a carne nos mercados interno e externo.Mas a alegria durou pouco. Uma segunda nota distribuída pela Assessoria de Imprensa do Ministério no começo da tarde de ontem corrigiu a informação divulgada na noite de segunda-feira. Na segunda nota, o governo informou que 17 Estados foram "reconhecidos e consolidados" como áreas livres de febre aftosa com vacinação, entre eles, Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Goiás, além do Distrito Federal. Dessa forma, Santa Catarina continua sendo o único Estado considerado livre de aftosa sem vacinação. As informações sobre a situação sanitária dos rebanhos estaduais foram republicadas ontem no Diário Oficial, informou a assessoria.Pecuaristas baianos e empresários do setor disseram que foram "surpreendidos" pela errata divulgada pelo Ministério da Agricultura. "A má notícia desanimou o mercado que já previa um grande impulso para a pecuária do Estado. De acordo com a errata, a Bahia recupera a condição de zona livre de aftosa com vacinação", informou em nota a Assessoria de Imprensa da Associação Baiana dos Criadores (Abac). O reconhecimento de área livre de aftosa sem vacinação, classificação que acabou não se confirmando, chegou a ser comemorada em Salvador, onde acontece uma feira agropecuária. NORMADe acordo com a Instrução Normativa (IN) 53, os Estados foram divididos em áreas livres de febre aftosa sem vacinação, áreas livres de febre aftosa com vacinação e áreas que ainda não apresentam condições de inclusão nas situações devidas. A IN estabelece ainda que o eventual aparecimento de um ou mais casos de febre aftosa, em qualquer área considerada livre da doença, implica na suspensão temporária da situação vigente. A suspensão poderá incluir apenas parte da área livre, no caso de surto limitado, ou, quando for possível, estabelecer uma zona de contenção que agrupe todos os casos, com a finalidade de reduzir, ao mínimo, o impacto da doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.