Ministério esloveno nega planos de pedir resgate no momento

Eslovênia anunciou esta semana a recapitalização do Nova Ljubljanska Banka (NLB), o maior banco do país, que precisa de uma injeção de € 320 mi

Renan Carreira, da Agência Estado,

28 de junho de 2012 | 19h42

NOVA YORK - A Eslovênia, que faz parte da zona do euro, não tem planos imediatos de pedir resgate internacional para seus bancos subcapitalizados, disse hoje Irena Ferkulj, porta-voz do Ministério das Finanças. "A Eslovênia não está considerando assistência financeira dos mecanismos europeus", afirmou em um comunicado por e-mail, confirmando declarações semelhantes de Janez Sustersic, ministro das Finanças do país, mais cedo nesta quinta-feira. 

O primeiro-ministro da Eslovênia, Janez Jansa, não descartou ontem a possibilidade de o país ter de pedir ajuda à União Europeia (UE) para recapitalizar seu sistema bancário. Questionado se a Eslovênia poderia pedir ajuda financeira da UE para fortalecer seu sistema bancário, ele respondeu: "Nós estamos analisando escrupulosamente todos os bancos e, quando terminarmos todas as nossas análises, seremos capazes de responder a essa pergunta".

Também na quarta-feira, o Chipre se tornou o quinto país da zona do euro a pedir resgate, junto com Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha.

O governo da Eslovênia anunciou esta semana a recapitalização do Nova Ljubljanska Banka (NLB), o maior banco do país. O NLB está sofrendo com empréstimos inadimplentes e precisa de uma injeção de capital de 320 milhões de euros até o fim do mês para atingir as exigências da Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla em inglês). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EslovêniaNLBUEEuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.