Ministério explica preço do gás citado por ministro

O Ministério de Minas e Energia divulgou nota em que afirma que o valor de R$ 23,00, citado nesta manhã pelo ministro Francisco Gomide, em entrevista coletiva, como ideal para o botijão de gás ao consumidor, "foi usado exclusivamente como exemplo para explicar a prática dos distribuidores e revendedores de GLP (gás de cozinha) após a liberação do mercado, ocorrida em 1º de janeiro de 2002". Portanto, segundo a nota, "não deve ser considerado como preço máximo ao consumidor, caso a intervenção do governo sobre os preços do produto se revele indispensável". Na nota, o Ministério afirma ainda que, "em razão das diferentes alíquotas do ICMS e dos custos dos fretes, os preços do GLP para o consumidor final apresentam variações de município para município". E termina dizendo esperar que as conversações com os distribuidores e revendedores de gás de cozinha para baixar o preço "chegarão a bom termo, sem necessidade de intervenção do governo sobre os preços do GLP".

Agencia Estado,

25 de julho de 2002 | 15h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.