REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Ministra da Agricultura diz que projeto de reforma da Previdência agrada ao setor

Tereza Cristina disse ainda que pretende ajudar o governo a aprovar o texto

Letícia Pakulski*, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2019 | 20h37

BRASÍLIA - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta quarta-feira, 20, que o projeto de reforma da Previdência agrada ao setor, de forma geral. "Não li os detalhes, mas, grosso modo, acho que está (razoável para o agronegócio)." Ela evitou tecer críticas ao fato de a idade da aposentadoria ser a mesma para homens e mulheres na aposentadoria rural, de 60 anos, mesmo já tendo defendido que houvesse alguma diferença entre os dois. "Eu trabalhei tanto hoje que não li ainda o texto, vou ler agora à noite", disse Tereza. "Acho que está bom, não acho ruim não. Está de bom tamanho."

Sobre a contribuição previdenciária do agricultor familiar de R$ 600 por ano, ela também se mostrou favorável. "Acho muito razoável e justo. R$ 600 por ano eu acho que todo agricultor familiar pode contribuir para um benefício que ele sabe que vai ter na sua velhice."

A ministra disse ainda que pretende ajudar o governo a aprovar o projeto. "Não é ajudar o governo, é ajudar o futuro do Brasil porque estamos fazendo uma medida que não é simpática a ninguém, ninguém gostaria de fazer uma reforma da Previdência, mas ela é para o futuro, para que todos possam ter a sua aposentadoria, para que o Brasil possa voltar a ter investimentos."

A ministra afirmou ainda que está discutindo o Plano Safra 2019/2020 e um aumento no volume de recursos para subvenção do seguro rural. "O governo tem 60 dias. Nós estamos discutindo esse assunto, mas é um assunto prioritário para essa gestão do ministério (mais recursos para seguro). Ainda estamos construindo com a equipe econômica."

*A repórter viajou a convite da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.